JOBS

LinkedIn terá mercado de freelas

22/02/2021 10:46

Rede social corporativa está criando um serviço para contratação de freelancers.

Profissional freelancer decide trabalhar de pé descalço no meio da rua. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

O LinkedIn está desenvolvendo um novo serviço chamado Marketplaces, focado em intermediar a contratação de profissionais autônomos, conhecidos como freelancers, ou, carinhosamente, freelas.

Pelo menos, é o que garante o bem informado site The Information, citando fontes internas. 

A nova aplicação, a ser lançada até setembro, deve ajudar a contratar profissionais de colarinho branco em nichos como desenvolvimento de software e contadores, competindo com companhias de nicho como Upwork e Fiverr. Das duas, só o Fiverr está no Brasil desde o final do ano passado.

O Marketplaces é uma tacada da Microsoft, que pagou US$ 26,2 bilhões pelo Linkedin em 2016, uma das maiores compras no setor de tecnologia em todos os tempos.

A rede social tem hoje 740 milhões de usuários e gerou uma receita de US$ 8,8 bilhões em 2020, uma alta de 20% frente a 2019, principalmente com assinaturas de planos especiais e anúncios de vagas de emprego.

É um volume bem maior do que a Upwork e Fiverr, que faturaram juntas US$ 550 milhões, uma alta de 37%, cobrando fees sobre contratos de trabalho freelancer intermediado pelas suas plataformas (27% e 13%, respectivamente).

As novas condições sociais geradas pela pandemia jogam um papel nos planos do Linkedin.

Em uma nota enviada ao The Information, a rede social afirma que notou um aumento do número de usuários que colocaram o aviso “open for business” nos seus perfis, um sinal de que negócios já são fechados na plataforma.

“No futuro vamos construir novas maneiras de compartilhar os serviços que você poderia vender através do seu perfil no LinkedIn”, afirma a nota, reconhecendo indiretamente planos para algo como o Marketplace.

De acordo com o The Information, as funcionalidades do novo serviço do LinkedIn incluem comparar preços, divulgar propostas de trabalho e dar nota para os prestadores de serviço.

O Marketplaces seria um substituto para o ProFinder, um serviço que permite contratar freelancer, mas sem maiores funcionalidades de busca e comparação. O ProFinder custa US$ 60 por mês e nunca decolou.

Veja também

CASH
Awari levanta R$ 2 milhões

Edtech atua no modelo ISA, uma fórmula em alta para formação em tecnologia.

GESTÃO
Intuit tem novo country manager no Brasil

Davi Viana tem um histórico no mercado de micro e pequenas empresas.

TRABALHO
Monday.com abre no Brasil

Com base de 3,6 mil clientes brasileiros, startup israelense agora tem cara local.

 

PANDEMIA
SAP: grandes eventos em 2021, só no digital

Multinacional alemã avisa parceiros que a estratégia de eventos digitais será mantida.

JOBS
Fiverr chega ao Brasil

Empresa é uma espécie de marketplace que conecta empresas a freelancers.

EXEMPLO
Dupla aproveita bem a quarentena

Durante a pandemia, eles largaram seus empregos, começaram a programar e venceram um hackathon.

CARREIRA
Praticando o desapego do conhecimento

Profissionais precisam reconhecer o momento de deixar o passado de lado.

CAMPANHAS
4bee Flix oferece Uber do endomarketing

Empresas podem terceirizar suas campanhas por meio da plataforma. 

COWORKING
WeWork abre quarta unidade em SP

O novo escritório fica na região da Berrini, a mais popular entre as empresas de tecnologia da cidade.

STARTUP
Workana tem novo aporte de R$ 8 milhões

Com a quantia, a Workana pretende investir principalmente na área de marketing.

EXPANSÃO
Freelancer.com adquire Prolancer

A Freelancer comprou a Nubelo, que assumiu o controle da brasileira Prolancer em 2015.