Vera Guasso. Foto: Arquivo Pessoal.

Vera Guasso, diretora do Sindppd-RS, sindicato que representa os profissionais da informática no Rio Grande do Sul, trocou a militância no PSTU pelo PSOL no ano passado.

A revelação é do colunista de Zero Hora Paulo Germano, que procurou Vera para saber porque ela não era candidata a nada em 2018.

A curiosidade tem lá seus motivos: Vera foi candidata a algo em todas as eleições entre 1992 e 2014, postulando seu nome para os cargos de vereadora, prefeita, deputada estadual, federal e senadora.

De acordo com Paulo Germano, Vera saiu do PSTU por discordar da posição do partido durante o processo que levou ao impeachment da presidente Dilma Rousseff.

É um pouco complicado de explicar de maneira simples, mas o PSTU se posicionou contra o impeachment, ao mesmo tempo em que era favorável à derrubada de Dilma, assim como de todo o establishment político brasileiro.

Provavelmente, a ideia era que a derrubada de Dilma seria o primeiro passo para instaurar um regime socialista.

Vera teria discordado da linha de raciocínio do PSTU, preferindo a interpretação mais popular entre os partidos de esquerda, no sentido de que o processo seria um “golpe”.

Pela desavença com as lideranças do PSTU, Vera já ficou de fora da campanha em 2016 e migrou para o PSOL em 2017.

A mudança de partidos não deve interferir na condução do Sindppd-RS. Assim como o PSTU, a maior parte das correntes do PSOL é alinhado com a central sindical Conlutas, que controla o Sindppd-RS.

Hoje, podem votar nas eleições do Sindppd-RS cerca de 1 mil profissionais associados, divididos basicamente entre funcionários da Procergs, Serpro e um terceiro grupo reunindo Procempa, Datamec e empresas privadas.

O número representa uma fração dos cerca de 4 mil associados de 1986, quando foi fundado o sindicato. A queda é maior tendo em conta que o volume bruto de profissionais de TI aumentou, sendo estimado hoje em 40 mil no estado pelo Ministério do Trabalho.