Ascenty está empilhando data centers no país. Foto: Flickr.com/lekom/8522209291

A Ascenty anunciou um investimento de R$ 500 milhões para construção de um data center em Vinhedo, na região metropolitana de Campinas, no interior de São Paulo. 

De acordo com a empresa, o novo data center, construído em uma área com mais de 105 mil metros quadrados, será o “maior da América Latina”.

É o décimo quarto data center da Ascenty “em operação ou construção” no país. A obra deve estar concluída até o último trimestre de 2019.

"Além de mostrar a expansão acelerada da empresa, esse novo data center representará um marco para o país, pois apresenta a maior capacidade de energia elétrica da América Latina", ressalta Marcos Siqueira, diretor de serviços da Ascenty. 

Em linha com o clima de segredo que costuma rodear esses negócios, a Ascenty não abriu qual é essa capacidade ou quantos metros quadrados da área serão ocupados por servidores, medidas que ajudariam a dar uma dimensão mais exata do centro.

O investimento em Vinhedo é o primeiro anunciado no país após a venda da Ascenty para  a Digital Realty, um grande player de data center e conectividade com atuação concentrada nos Estados Unidos.

A Digital Realty pagou ao fundo de investimento Great Hill US$ 1,8 bilhão para levar a Ascenty.

O negócio também envolve uma outra transação, pela qual a Digital Realty fechou um acordo com a Brookfield, uma gestora de ativos com negócios em rodovias, ferrovias e energia no Brasil, para que ela financie US$ 613 milhões do negócio em troca de 49% das ações na joint venture que será dona da Ascenty.

A Digital Realty foi fundada em 2004 por um fundo de investimento que comprou 21 data centers de empresas em apuros na época, imediatamente depois do estouro da bolha.

A companhia vem empilhando aquisições desde então, algumas delas de bastante porte como o data center americano Telx por US$ 1,8 bilhão em 2015, oito data centers da Equinix por US$ 874 milhões em 2016 e, no ano passado, um grande negócio de US$ 7,8 bilhões com a Dupont Fabros.

A nota da Digital Realty não entra em detalhes sobre as condições financeiras da Ascenty, mas a companhia vinha num ritmo de investimentos acelerado e pode ter ficado sem fôlego.

O plano da empresa previa um IPO nos Estados Unidos até o final de 2016, o que acabou não se concretizando.

A Ascenty nunca abriu faturamento, mas uma matéria do Valor Econômico daquele ano falava em US$ 150 milhões, uma fração do dinheiro que foi colocado na operação até aquele momento. A Digital Realty faturou US$ 2,45 bilhões no ano passado.

A Ascenty é liderada pelo CEO Christopher Torto, que anteriormente havia fundado a Vivax, a segunda maior empresa de TV a cabo no Brasil, que abriu o capital em 2006 e foi vendida em 2007.

Além do US$ 1,8 bilhão pago pela empresa, a Digital Realty se comprometeu a colocar US$ 425 milhões de dispêndios com ativos fixos para financiar a conclusão do desenvolvimento de data centers que estão sendo construídos atualmente e estruturar uma capacidade adicional para atender à demanda dos clientes a curto prazo. 

Fundada em 2010, Ascenty é dona de uma uma rede de fibra óptica proprietária de aproximadamente 4.500 km conectando os principais centros brasileiros de tecnologia, finanças e população de São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro e Fortaleza, onde está conectada com cabos submarinos que chegam ao país. 

Além disso, tem 106,2 Megawatts de capacidade total planejada, incluindo 39,2 Megawatts de capacidade em serviço atualmente em serviço, 34,0 Megawatts de capacidade em construção e 33,0 Megawatts de capacidade potencial extra.

Além disto, a Ascenty dispõe de opções ou leasings em cinco localidades distintas, representando um aumento estimado de 66,5 Megawatts de capacidade potencial de crescimento futuro.

A Digital Realty, em dezembro de 2017, possuía 205 instalações operacionais, dos quais 152 nos Estados Unidos e 38 na Europa.