Unidade da taQi.

Tamanho da fonte: -A+A

O Grupo Herval acaba de implantar a plataforma Oracle Commerce Cloud com produtos da suíte Oracle CX para as suas marcas taQi e Voulevar.

O projeto teve consultoria direta da Oracle.

“Toda a nossa área de atendimento digital foi impactada com novos mecanismos, processos, controles e ferramentas para operar junto aos clientes”, afirma Cássio Weber, gerente de e-commerce do Grupo Herval.

Essa é a segunda experiência do Grupo Herval com tecnologias de e-commerce da Oracle. 

Entre 2012 e 2016, a empresa foi cliente do Oracle ATG, que poderia ser considerada a geração anterior de soluções de e-commerce da Oracle, oriunda da compra da ATG pela Oracle em 2010.

A Herval usava o ATG on premise até decidir desenvolver ela mesma uma solução a partir de 2016, apostando em infraestrutura, desenvolvimento, suporte e manutenção próprios.

Na época, a Herval estava  encerrando uma transformação na sua TI, com a implantação do sistema de gestão da SAP, um grande projeto iniciado em 2013 envolvendo 20 marcas distintas nos segmentos de manufatura, varejo e serviços ao longo de três anos.  

Agora, a Herval está usando o produto na nuvem da Oracle, fazendo desenvolvimentos próprios na camada de integração via APIs do produto.

Entre uma implantação e outra, o comércio eletrônico aumentou muito de importância dentro da Herval, passando de 10% do faturamento total para 30% hoje.

Com a plataforma da Oracle, o time de negócios do e-commerce deve assumir o controle da interface digital e ter flexibilidade para operar na construção de landing pages, conteúdos, buscas, produtos e ofertas, sem necessidade de envolver a TI.

Isso deve ser apoiado por produtos da suíte de aplicativos, como o Oracle Responsys e Infinity, que possibilitam ampliar a automação de marketing, melhorando a comunicação e personalização de ofertas para com seus consumidores. 

Também foram adquiridas ferramentas de atendimento que serão utilizadas pelo time de e-commerce e SAC para melhorar a experiência de contato com as marcas.

De acordo com Weber, o plano agora é integrar operações de venda física, CRM, logística e sistemas de PDV e atendimento, visando colocar em prática o conceito de omnichannel, no qual o cliente da plataforma digital conta com o suporte de qualquer ponto de venda físico. 

“A omnicanalidade é uma necessidade a ser executada cada vez mais exposta, para que nossos consumidores possam facilmente escolher entre diversas opções de recebimento dos seus produtos”, finaliza Weber.