FIM?

Fórum de Software Livre acabou em Porto Alegre

24/04/2019 08:33

Evento terá novo local, data e formato a serem anunciados até o fim do semestre.

FISL se despede de Porto Alegre. Foto: flickr.com/photos/fisldezesseis

Tamanho da fonte: -A+A

O Fórum de Software Livre, evento que marcou uma época em Porto Alegre e no país, acabou. Pelo menos no formato e no local nos quais era conhecido. 

Associação Software Livre, organizadora das 18 edições do FISL, comunicou a decisão nesta terça-feira, 23. 

“A nova gestão da entidade, eleita em 15 de dezembro de 2018, após pesquisa de mercado conduzida por consultoria externa, optou por reposicionar o conteúdo, data, formato e local, do Fórum Internacional Software Livre”, aponta a ASL.org em nota.

O texto agrega ainda que “todas ações de reposicionamento serão comunicadas em cronograma específico, a ser lançado por esta coordenação até o final do primeiro semestre de 2019”.

A decisão foi tomada a partir de uma pesquisa respondida por 3,5 mil pessoas, destaca a ASL.

A nova gestão, que assumiu em dezembro do ano passado, parece estar disposta a promover uma grande virada de rumos na associação.

Pelo menos é o que dá a entender a linguagem da nota, que fala em “balizar todas suas decisões por indicadores claros e de mercado, que suportem tomada de decisão na difusão, uso e desenvolvimento de softwares livres e de código aberto”.

A escolha de palavras é chamativa, em especial “indicadores claros e de mercado” e “código aberto”, que não encaixam com a linha do evento nos últimos anos.

A nota é assinada por Fabrício Reis, coordenador Geral da Associação Software Livre. Reis é um empresário, CEO, da Natureza Digital, uma fornecedora de software para órgãos públicos na área de Meio Ambiente.

O FISL foi cancelado por falta de patrocinadores em 2017 e aconteceu numa versão muito reduzida no ano passado, para um público esperado de entre 1,5 mil e 2 mil participantes.

É uma quantidade bem abaixo dos 7 mil público médio dos anos dourados. O maior FISL de todos foi o de 2009, com a presença do então presidente Lula e cerca de 10 mil pessoas.

O FISL acontecia na capital gaúcha desde 2000, em todas edições menos uma no centro de eventos da PUC-RS. 

O evento foi durante um bom tempo foi um ponto de encontro para o debate sobre o avanço de software open source na administração pública brasileira.

Não por acaso, os problemas do FISL começaram com a saída do poder do PT, partido que abraçou de maneira mais consistente a defesa do uso de open source no governo.

A primeira edição do Fisl, em 2000, aconteceu durante o governo de Olívio Dutra (PT) apresentando cases de quase uma década de adoção de software livre nas gestões petistas de de Porto Alegre nos anos 90.

Com a chegada do PT a Brasília, o evento começou a receber o apoio continuado de empresas públicas e ministérios e passou por uma era de expansão, chegando ao recorde de 2009.

Ao mesmo tempo, profissionais ligados ao software livre em Porto Alegre, como Rogério Santanna e Marcos Mazoni, chegaram a altas posições em Brasília, como a presidência da Telebras e do Serpro.  

Eles, junto com dezenas de colaboradores das suas empresas, eram figuras carimbadas no evento.

Marcelo Branco, presidente da ASL por um período, chegou a trabalhar com iniciativas de mídias sociais na primeira campanha de Dilma Rousseff para a presidência (não foi uma participação bem sucedida, mas ilustra o nível dos contatos da associação). 

Em nível estadual e municipal, essa associação não prejudicou o Fisl, com governos de diferentes matizes apoiando o que viam como um evento benéfico para Porto Alegre. 

Em 2016, foi aprovado um projeto de lei que inclui o evento no calendário oficial da cidade. O prefeito José Fortunati, um ex-petista hoje no PDT, recebeu uma homenagem do evento no ano passado.

A “tempestade perfeita” que atinge o FISL já vinha se desenhando desde 2015, quando, o FISL aconteceu já sob a sombra do impeachment da presidente Dilma Rousseff. 

Os novos governos em nível municipal, estadual e federal cortaram as verbas de patrocínio, em meio à crise econômica e novas prioridades em nível de política de tecnologia.

Com a vitória de Jair Bolsonaro nas últimas eleições federais, a política de substituição de software livre por soluções proprietárias acelerou em nível federal e as chances de apoio do governo ao evento foram completamente anuladas.

Os patrocinadores privados, por sua parte, na maior parte das vezes usavam o FISL como uma plataforma de captação de currículos dos jovens profissionais que formam a grande maioria dos frequentadores do evento (não foi por outro motivo que nomes ligados à ASL.org, incluindo Branco, trabalharam nas primeiras edições do Campus Party no Brasil).

Para se tornar mais atrativo para as empresas de tecnologia a ponto de poder ser bancado majoritariamente por dinheiro privado, o FISL provavelmente teria que ser remodelado até se tornar um evento completamente diferente, o que parece estar na pauta da nova gestão da ASL.org.

É uma queixa frequente de profissionais de TI presentes nas primeiras edições que com o passar dos anos o Fisl se tornou “ideológico demais”, à medida em que o movimento se integrava com a pauta da esquerda de maneira geral.

Veja também

GESTÃO
Mato Grosso pode fechar estatal de TI

MTI é o equivalente mato grossense da paulista Prodesp ou da gaúcha Procergs.

SOFTWARE LIVRE
Fisl está de volta em Porto Alegre

Depois de um cancelamento no ano passado, o evento terá a sua 18ª edição em julho.

INOVAÇÃO
RS terá sua versão do Pacto Alegre

Secretaria de Ciência e Tecnologia quer ampliar a experiência em andamento em Porto Alegre.

SOFTWARE LIVRE
FISL de 2017 é cancelado

A nova edição do evento teve a realização transferida para julho de 2018.

CONECTIVIDADE
Vivo tem contrato com o estado de São Paulo

O acordo é um dos maiores da empresa no ano.

MOTORISTAS
Uber tem acordo com Serpro para checar veículos

Empresa poderá conferir informações cadastrais de motoristas em tempo real.

EVENTO
FISL: antes, durante e depois

"O improvável retorno do evento em 2018 vai acontecer".

BRASÍLIA
Apex: hacker japonês espiona presidente?

Presidente demitido de caótica agência estatal acha que era espionado por hacker.

DEFESA
Microsoft e AWS disputam Pentágono

Sinal dos tempos: IBM e Oracle, depois de muita gritaria, ficaram fora da disputa bilionária.

NUVEM
TJ-SP: mega contrato com Microsoft anda...

... pero no mucho: CNJ libera negociações, mas fechamento só depois de final do plenário. 

FUTURO
Ceitec parte para o ataque

Estatal de chips instalada em Porto Alegre anuncia acordo com a Pirelli.

PESQUISA
MIT corta laços com Huawei e ZTE

Universidade líder nos Estados Unidos bloqueia iniciativas com gigantes chinesas.

FUTURO
Lançada Câmara Brasileira da Indústria 4.0

Novo governo sinaliza continuidade em torno de um tema que está em alta.