Pesquisa apontou as mulheres como as mais preocupadas. Foto: Pexels.

O Brasil é o país com o maior crescimento em preocupações relacionadas a assuntos de segurança no mundo, de acordo com os resultados da pesquisa Unisys Security Index (USI) 2020.

No estudo, o país alcançou 197 pontos em uma escala que vai de 0 a 300, um crescimento de sete pontos em relação a 2019 – o maior aumento entre os 15 países avaliados e a maior pontuação do país desde 2013. 

Já o índice médio global do USI 2020 é de 175 pontos pelo segundo ano consecutivo, o nível mais alto em 14 anos.

A pesquisa mensura as percepções do consumidor em quatro categorias: segurança pessoal, financeira, nacional e na internet. 

Embora as preocupações com a segurança do Brasil tenham aumentado em todas as áreas, ele tem o número mais baixo entre os países em desenvolvimento avaliados, incluindo os da América Latina: México, com 212, Colômbia, com 217, e Chile, com 218. 

Em geral, a atenção à segurança digital dos mercados emergentes cresce, com Filipinas e Índia liderando o ranking, enquanto a dos mercados desenvolvidos está diminuindo. 

Neste ano, o índice de preocupação brasileiro é mais alto que o de Estados Unidos, Austrália, França, Bélgica, Reino Unido, Nova Zelândia e, os dos últimos, Alemanha e Holanda.

As entrevistas foram realizadas entre​ 16 de março e 5 de abril de 2020 junto à deflagração da pandemia da Covid-19, com a intenção de identificar as consequentes incertezas econômicas e agitação social decorrentes da crise.

O índice de preocupação com a segurança financeira dos brasileiros, por exemplo, cresceu 12 pontos, atingindo 203 neste ano, a maior apreensão já identificada no país. Em segundo lugar, vem a segurança pessoal, com 202 pontos, dois a mais que no ano passado. 

Já a segurança da internet cresceu seis pontos, chegou a 200 e ficou em terceiro entre as maiores preocupações dos brasileiros.

Por último, mas com crescimento significativo de nove pontos em relação a 2019, ficou a segurança nacional, com 185 pontos, impulsionada pela preocupação com desastres e epidemias.

Entre os componentes específicos de cada dimensão, os itens que se destacam são fraudes bancárias e roubos de identidade, assuntos extremamente ou muito preocupantes para 80% e 78% dos brasileiros, respectivamente.

Invasões cibernéticas ou vírus compõem a terceira maior preocupação no Brasil, com 73%, seguido de desastres naturais, com 72%. 

Essa última área, que compreende ocorrência de inundação, furacão, incêndio florestal ou epidemia, registrou um crescimento de 10% na preocupação em relação ao ano passado. 

A atenção com segurança nacional, que se refere à proteção à guerras e ao terrorismo, diminuiu 4% em relação à 2019, sendo muito importante para mais da metade dos brasileiros (51%).

Especificamente no âmbito da Covid-19, a infraestrutura de saúde do Brasil e a estabilidade econômica são as principais preocupações durante uma crise de saúde global, respectivamente para 85% e 84% dos entrevistados. 

Em terceiro, ficou a saúde física da família, considerada extremamente ou muito preocupante para 83% dos brasileiros durante a pandemia.

“O Brasil registrou o maior aumento de preocupação ano a ano do que qualquer outro país e percebemos que muitos ainda têm uma falsa sensação de segurança de dados enquanto trabalham em casa”, destaca Mauricio Cataneo, presidente da Unisys Brasil e CFO da empresa para a América Latina. 

Realizado desde 2007 pela Unisys, empresa global de tecnologia da informação, o estudo de 2020 aplicou entrevistas on-line com 15.699 adultos entre 18 e 64 anos de idade, sendo pelo menos 1 mil de cada um dos 15 países monitorados.

Segundo a empresa, a margem de erro é de 3,1% para mais ou para menos nos resultados por país, e de 0,8% nos resultados globais. O nível de confiança da pesquisa é de 95%.