Leonardo Palhares, presidente da Câmara-e.net. Foto: Divulgação.

As empresas associadas da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) elegeram Leonardo Palhares, sócio do Almeida Advogados, o novo presidente da organização. 

Ele substitui o também advogado Ludovino Lopes, que ocupou o cargo por cinco anos. 

Flávio Jansen, CEO da Locaweb, assume a posição de vice-presidente de estratégia, enquanto Marcelo Coelho, diretor do Mercado Pago, permanece como VP de fnanças e controle.

Desde 2009 no Conselho Consultivo da camara-e.net, Leonardo Palhares atuou também como VP de estratégia da entidade na gestão de Ludovino Lopes e participou da formulação do texto do Marco Civil da Internet.

Palhares chega ao cargo com o desafio de enfrentar as mudanças no segmento de comércio virtual. O e-commerce brasileiro teve sua primeira queda em 12 anos no primeiro semestre, quando as vendas online somaram R$ 27,4 bilhões, uma queda de 2,35% em relação ao mesmo período do ano passado.

“Nesses 20 anos de comércio eletrônico, o setor vem crescendo anualmente em índices sempre superiores a 15%, representando uma economia que já supera os R$ 100 bilhões. Agora, nesse ambiente econômico restritivo que o país enfrenta, a entidade tem o desafio redobrado de contribuir para o resgate dos patamares históricos de crescimento do setor", comenta o novo presidente.

Segundo Palhares, a entidade pretende ajudar a manter o crescimento de novas tecnologias digitais, reforçando a capacitação de startups, micros, pequenas e médias empresas. A entidade também busca uma atuação conjunta com as várias esferas do governo pelo impulso ao setor. 

“Acredito que com a retomada do crescimento do PIB a partir de 2017, a uma taxa média conservadora de 2% ao ano, assistiremos, no fim da década, o comércio eletrônico praticamente dobrar de tamanho, atingindo R$ 180 bilhões", projeta Palhares.

A entidade também pretende trabalhar no mapeamento estatístico do comércio eletrônico. 

"Ter uma visibilidade das interações e impactos multidisciplinares do setor é essencial para a tomada das decisões políticas e estratégicas nesse macrossegmento da economia digital", afirma.