SEAT é a única montadora espanhola.

A SEAT, montadora espanhola de carros controlada pela Volkswagen, fechou um acordo com a IBM para usar a plataforma de inteligência artificial Watson no Mobility Advisor, um projeto piloto de mobilidade urbana da empresa.

O Mobility Advisor foi lançado junto com o Minimó, um mini carro de 2.5 x 1,24 metro, como parte de um conceito e “micro mobilidade urbana” da SEAT, o tipo de coisa modernosa que as grandes fabricantes de automóveis tem feito hoje em dia.

A ideia é que o cliente use o Minimó em pequenos trajetos e depois o Mobility Advisor como um app no seu celular para ter acesso a outras opções de transporte bicicletas, patinetes e a boa e velha rede pública de transportes.

A aplicação usa a interface conversacional do Watson para sugerir rotas e opções de transporte, ao mesmo tempo que a tecnologia de machine learning permite à aplicação aprender sobre as preferências do usuário com o tempo.

Tudo rodará na nuvem da IBM, conectado a informações sobre o tempo (lembram quando a Big Blue comprou a empresa do Weather Channel?) e o trânsito na cidade.

A SEAT é a única montadora de carros espanhola, com a maioria das fábricas localizadas na região metropolitana de Barcelona.

Com uma produção de 500 mil veículos e um faturamento próximo de € 1 bilhão, a empresa é pequena em relação ao total da Volks, cuja produção passa de 10 milhões de carros por ano com vendas de € 230 bilhões.

O que nem a SEAT nem a IBM mencionaram é que o acordo parece ser também parte de uma política da Volkswagen de não colocar todos os ovos numa cesta quando o assunto são parcerias com grandes players de tecnologia.

isso porque ainda em outubro do ano passado, a gigante alemã fechou um acordo com a Microsoft para usar a nuvem Azure e a plataforma de Internet das Coisas Edge como a base da sua plataforma de computação em nuvem.

Os planos da Volkswagen dizem mais respeito a usar o carro como uma plataforma para entrega de serviços e produtos, uma espécie de celular sobre rodas.

Mas a empresa também fez uma movimentação no segmento de compartilhamento de carros e mobilidade urbana, atualmente em estágio bem mais avançado que o da SEAT, que ainda é um protótipo. 

Ele deve começar em Berlim em 2019  com dois mil carros elétricos e, em 2020, já deve estar disponível em outras cidades na Europa e alguns alvos selecionados na América do Norte.

As frotas de carros estacionados pelas cidades e disponíveis para motoristas sob demanda já são uma realidade em muitas cidades americanas, onde as primeiras iniciativas do tipo começaram há mais de 10 anos.

Junto com a popularidade crescente de aplicativos de mobilidade como o Uber e a onda recente de bicicletas e patinetes, as frotas compartilhadas são maneiras de transporte mais próximas do público jovem, que parece mais interessado em comprar um celular mais caro do que o seu primeiro carro. As montadoras precisam correr atrás.