Reclame Aqui dá uma voz a clientes insatisfeitos. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

A Stone comprou 22% do Reclame Aqui, um conhecido site que intermedia a solução de problemas entre clientes e empresas, servindo também como referência para novos compradores.

O negócio, revelado pelo site Brazil Journal, dá saída ao fundo DGF, que comprou 22% da companhia numa rodada Série A em abril de 2018.

Os três acionistas do Reclame Aqui, hoje CEO, CMO e CTO da empresa, continuam no negócio. O conselho de administração terá quatro integrantes, dois indicados pela Stone.

O CEO Eduardo Neves disse ao Brazil Journal que a companhia conversou com investidores estratégicos e fundos de VC, mas optou pela parceria com a Stone dada a penetração que a companhia tem junto a pequenas empresas e a presença nas lojas físicas.

Lançada em 2012, a Stone é hoje a quarta maior empresa de processamento de pagamentos do Brasil, com cerca de 10% de participação de mercado. 

A empresa deu uma grande tacada no varejo ao adquirir por R$ 6,8 bilhões a Linx, líder em software de gestão para o segmento. 

Com mais de 30 milhões de usuários e 500 mil empresas cadastradas em sua base, o Reclame Aqui monetiza essa audiência elaborando relatórios para as empresas sobre as reclamações e experiências dos clientes, o que poderia ser facilmente integrado dentro de um ERP.

A companhia também oferece uma série de outras soluções, incluindo ferramentas usadas pelos atendentes de grandes companhias e ferramentas de interação instantânea, como um chat.

Um dos planos do Reclame Aqui é replicar no mundo físico a chamada “jornada de influência de marca” que a empresa já disponibiliza para seus clientes do ecommerce, explica o Brazil Journal.

Aí novamente os sistemas da Linx podem ter um papel, permitindo que os clientes façam avaliações do atendimento assim que terminarem de fazer uma compra.

O Reclame Aqui já tem uma estratégia de integração com softwares relevantes no varejo.

Em 2020, por exemplo, a empresa anunciou que os registros feitos no site poderiam ser integrados ao software de gestão de relacionamento com clientes (CRM, na sigla em inglês) da Salesforce, a líder mundial no campo.

Atualmente, o Reclame Aqui tem 200 colaboradores e fatura cerca de R$ 45 milhões por ano. Em 2022, a meta é chegar ao faturamento anual de R$ 240 milhões.