No mundo da distribuição de tecnologia, tamanho é documento. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

A Synnex e a Tech Data, duas das maiores empresas do setor de distribuição do mundo, anunciaram uma fusão que cria a líder no setor, superando em tamanho a Ingram Micro, até agora a número 1.

Juntas, as duas empresas tem US$ 57 bilhões de faturamento contra US$ 47,2 bilhões da Ingram. 

A Synnex terá 55% de participação na nova empresa, com os 45% restantes na mão da Apollo Global, fundo que comprou a Tech Data por US$ 5,4 bilhões em junho de 2020. O CEO será o atual CEO da Synnex, Dennis Polk.

Ambas companhias tem presença no Brasil. A Synnex tem 500 funcionários no Brasil, segundo informa a empresa. Já a Tech Data tem 161, de acordo com o Linkedin.

A título de comparação, a Ingram, uma das maiores distribuidoras em atuação no país, tem 617.

A Ingram reforçou muito sua presença no Brasil em 2015, ao comprar o Grupo Ação, uma das maiores empresas brasileiras do segmento de distribuição de TI, por um valor não divulgado.

Com operações no Brasil, Colômbia, Chile, Peru, Uruguai e Equador, a Ação tinha faturado R$ 1,2 bilhão em 2014, uma alta de 23% frente aos resultados do ano anterior e numa época em que o real valia algo.

A fusão das duas empresas acontece depois da Synnex fazer um spin off do seu negócio de call center, a Concentrix, adquirido da IBM em 2013, voltando a ser um player de distribuição puro.

A Tech Data vem de uma trajetória de aquisições de concorrentes, incluindo a Avnet, comprada por US$ 2,6 bilhões e os negócios da Westcon na América do Norte e na América Latina por US$ 2,18 bilhões, ambos em 2017.

A Ingram, agora segunda maior distribuidora do mundo, também trocou recentemente de mãos. 

A HNA, conglomerado chinês que comprou a Ingram Micro em 2016, passou a gigante americana distribuição adiante para o fundo americano Platinum Equity por US$ 7,2 bilhões no final do ano passado. 

A notícia não surpreendeu ninguém. Os primeiros rumores do interesse da HNA numa venda começaram a circular já no final de 2018.

O fundo provavelmente está procurando maneiras de capitalizar a sua compra, motivo pelo qual não seria surpreendente se alguma outra grande fusão pintasse em breve.