FURO

Mais uma fraude no C6 Bank?

04/05/2022 08:36

De acordo com Veja, sistema frágil teria permitido fraude de R$ 23 milhões.

Furo no sistema de segurança permitiu desvio. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

Uma fragilidade no sistema do C6 Bank teria permitido que usuários mal intencionados fizessem um desvio fraudulento de R$ 23 milhões.

É o que revela uma matéria da Veja. De acordo com a revista, a fraude é investigada pela Polícia Civil de São Paulo.

A polícia quer descobrir se o golpe tem por trás alguma organização criminosa ou foi cometida por clientes normais da fintech.

Pelo menos 5 mil contas teriam se aproveitado de uma brecha em uma aplicação de CDB, a maioria delas com titulares residentes em municípios da Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro, o que, para a polícia, é um indício que a fraude pode ter sido orquestrada.

Apesar disso, a investigação não rejeita a possibilidade de a falha ter sido fruto de uma troca de informações, pois os desvios foram realizados em contas correntes existentes e em celulares únicos. 

O CDB Crédito faz parte dos investimentos de renda fixa do C6 Bank, com valor de aplicação mínimo de R$ 100 e máximo de R$ 10 mil. 

Ao aplicar um valor no produto, o cliente tem a mesma quantia revertida em limite de cartão de crédito.

Enquanto o correntista usa o cartão, o C6 Bank bloqueia a movimentação do investimento até o pagamento. 

Aí estaria o ponto fraco da coisa toda: com a brecha de segurança, foi possível usar o valor total do limite e, ao mesmo tempo, fazer o resgate da aplicação antes do banco bloquear a quantia.

O C6 Bank não se posicionou publicamente até agora sobre o problema.

A fase da fintech não parece boa. Ainda em março, foi divulgado que o C6 Bank teve cerca de R$ 50 milhões desviados, em maio de 2021, dentro de um esquema de rachadinha

A fraude seria liderada por uma funcionária de uma empresa terceirizada responsável pelo relacionamento entre o banco e 200 clientes, usando o limite do cheque especial.

Os problemas, que no final das contas indicam fragilidades de controles internos, são chamativos porque a C6 não é qualquer fintech, mas uma das estrelas do cenário brasileiro de bancos digitais, com nomes de peso por trás.

Lançado em 2019, o C6 foi fundado por ex-sócios do BTG Pactual e alcançou a marca de 1 milhão de clientes nos primeiros seis meses de operação. Hoje, o número já chegaria a 14 milhões entre pessoas físicas, MEIs e PMEs.

O portfólio da empresa conta com mais de 20 produtos, incluindo serviços financeiros básicos gratuitos, como conta corrente, cartões de crédito e débito, transferências e saques, tags de pedágio e conta internacional para dólar ou euro.

Em junho de 2021, uma participação de 40% na fintech foi vendida para a JPMorgan Chase, americana líder mundial em serviços financeiros e terceira maior empresa do mundo.

Veja também

CONTRATAÇÃO
Ex-Méliuz é novo CTO na Saks

Fintech catarinense está em alta, tendo recebido recentemente um aporte. 

MÃO DE OBRA
FitBank busca capacitar alunos do Ceará

Fintech busca talentos no estado em parceria com a Universidade Federal do Ceará.

EM ALTA
Unico levanta US$ 100 milhões

A ID tech agora é a segunda empresa de SaaS mais valiosa da América Latina.

TACADA
Totvs tem joint venture com Itaú

Banco pagou R$ 1 bilhão por 50% do negócio fintech da gigante de ERP.

CONTRATAÇÃO
Ex-Accenture é o novo COO da Matera

Marcelo Moreira foi managing director de tecnologia da companhia por mais de 20 anos.

FINTECH
Randon: R$ 7 mi na Money Money Invest

Este é o oitavo aporte da companhia, que criou fundo há dois anos.