Foto: divulgação.

O Hospital Israelita Albert Einstein, um dos mais conceituados do Brasil, adotou as soluções da Microsoft em um aplicativo desenvolvido com a Avanade, consultoria global da marca, para auxiliar no processo de retomada de funcionários ao trabalho.

Chamado de CoVida, o app já monitora estado de saúde de 30 mil funcionários de empresas clientes da instituição, indicando se cada pessoa está apta a retornar às atividades profissionais e oferecendo um mapeamento do contágio da Covid-19 nas companhias.

A solução disponibiliza um painel no qual os líderes podem acompanhar diariamente como os colaboradores estão em termos de sintomas, identificar casos por setor e fazer a ponte com o corpo médico quando forem identificados sinais da doença.

O CoVida fica disponível para download pelos funcionários das empresas e monitora diariamente os sintomas por meio de um atendimento virtual via chatbot, que funciona com base no Power Virtual Agent da Microsoft.

A verificação é feita por meio de perguntas objetivas com base nos protocolos da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde.

Inicialmente, duas perguntas indicam se a pessoa precisa ir para o pronto-socorro. Em seguida, três perguntas indicam se ela precisaria de atendimento via telemedicina e, na terceira fase, ela responde mais duas questões que mostram a necessidade de conversa virtual com uma enfermeira via chat.

Quando a pessoa passa por todas as etapas, que duram um total de três minutos, ela está apta a trabalhar normalmente.

Caso o usuário apresente sintomas, o aplicativo o encaminha para uma conversa com enfermeiros, consultas virtuais com médicos ou para o agendamento do teste, seja por meio de coletas residenciais em até 48 horas ou em um pronto-socorro do Einstein.

Já no dia seguinte, o aplicativo passa a funcionar como verificador de cuidados, a fim de monitorar se os sintomas apresentam melhoras ou se o paciente precisa de encaminhamento médico. 

O aplicativo usa a telemedicina e integra o Microsoft Dynamics 365 para gerenciar a conversão do atendimento via chatbots para uma interação humana, bem como registrar as consultas virtuais com as equipes médicas.

Além disso, o CoVida tem uma funcionalidade, chamada de Passaporte da Saúde, na qual fica registrado se os usuários estão aptos a atuarem nas dependências da companhia sem risco de contágio.

“A ideia é acelerar a assistência por meio da tecnologia, de forma que as pessoas tenham um acompanhamento médico constante para que, em caso de infecção pelo novo coronavírus, possam realizar o tratamento com agilidade e assertividade”, afirma Eduardo Cordioli, gerente médico de telemedicina do Einstein.

Com mais de 60 anos de existência, o Einstein possui oito unidades próprias e também atua em mais de duas dezenas de locais na Grande São Paulo, no Brasil e no mundo. Só na capital paulista, a instituição administra 23 unidades públicas.

Já a Avanade foi fundada em 2000 como uma joint venture entre a Microsoft Corporation e a Accenture LLP. Com seu headquarter em Seattle, nos Estados Unidos, a companhia conta com 36 mil profissionais em 24 países.