RECURSOS INCÓGNITOS

Oracle adota entrevista às cegas

06/02/2019 13:18

Objetivo é aumentar a diversidade dos escolhidos para fazer estágio na compahia.

Novo programa de estágio da Oracle foi feito por equipe interna.

Tamanho da fonte: -A+A

A Oracle acaba de lançar um novo programa de estágio, com a adoção da chamada “entrevista de trabalho às cegas”, na qual, como o nome diz, os responsáveis pela seleção não sabem com quem estão falando, pelo menos nas fases iniciais.

A multinacional não dá muitas pistas de como isso vai funcionar na prática, fora uma certa dose de oba-oba ao descrever que o processo será “repleto de soluções tecnológicas, como inteligência artificial, chatbots, experimentação de cloud (nuvem)”.

Mais do que abdicar de saber quem são os selecionados, pelo menos na primeira fase, a Oracle também afirma que não vai se orientar por “critérios tradicionais” como idade, habilidades técnicas e fluência em línguas.

A empresa só pede conhecimento básico do idioma inglês e ter nível superior ou técnico, durante a duração do programa (de 13 a 18 meses), além das clássicas exigências genéricas como “viver para a excelência”, “ser uma pessoa apaixonada”, “ter espírito de startup”, algo filosóficas como “encarar a verdade” ou meio assustadoras como “ser obcecado por nossos clientes” (calma pessoal).

O chamado Generation Oracle foi criado por um grupo multidisciplinar de cinco colaboradores brasileiros da Oracle, que tiveram a oportunidade de participar de edições anteriores dos programas de estágio e trainee, estando, por tanto, mais ou menos na faixa etária do público alvo agora.

“Acreditamos que os profissionais do futuro destacam-se por serem humanos – por seus valores, habilidades comportamentais, consciência e compromisso em fazer um mundo melhor”, explica Lucas Leung, analista de Marketing e porta-voz do grupo que concebeu o novo programa.

Depois da seleção, os estagiários seguem um programa mais convencional, com rotação por diferentes áreas, mentorias e finalmente um projeto final numa área em específico.

Até onde a reportagem do Baguete tem notícia, a Oracle é a primeira empresa de tecnologia no país a fazer uma seleção nesses moldes, que atendem a uma pauta em alta no setor em nível mundial que vem crescendo também no Brasil: diversidade das equipes.

De acordo com uma matéria recente da Forbes, a seleção à cegas não apenas elimina qualquer pré-conceito dos recrutadores, como acelera em até 70% a etapa de triagem de candidatos. 

A matéria traz o case da Cargill, gigante da produção e processamento de alimentos, que começou em 2017 com uma versão light  da abordagem, na qual os gestores de RH não sabiam onde os estagiários estudavam, o que aumentou em três vezes o número de instituições representadas entre os selecionados.

A Jobecam, uma startup de RH focada nesse tipo de processo, criou um sistema no qual candidatos fazem entrevistas por vídeo, que são rankeados e depois podem ser vistos pelo RH, sem que seja possível ver os rostos dos selecionados.

Veja também

DIVERSIDADE
Google tem estágio para negros

Programas voltados para diversidade racial estão se tornando mais comuns.

TOPO
Tânia Cosentino assume Microsoft Brasil

Executiva vem da Schneider Electric, onde fez uma carreira de 20 anos.

CULTURA
Na Schneider, millennial é mentor do C-level

Participaram oito jovens profissionais e oito executivos do C-level da gigante de energia.

TENDÊNCIA
Vivo apoia igualdade racial

Operadora acaba de entrar na Coalizão Empresarial a favor da Equidade Racial e de Gênero.

RH
SAP avança em igualdade

A SAP Brasil acaba de avançar um degrau na certificação de igualdade de gênero no trabalho EDGE.

CARREIRA
Facebook tem nova líder na América Latina

Maren Lau substitui Diego Dzodan como principal líder da empresa na região.

TREINAMENTO
SAP apoia formação de programadoras

A SAP firmou uma parceria para apoiar a ONG Laboratoria.

QUE TAL?
Trainee da Vivo tem pós e ida a Barcelona

Os 30 selecionados farão a pós na ESPM em horário de trabalho.

EMPREGO
Bee Jobs lança app para vagas

O aplicativo mostra as vagas que mais combinam com o candidato.

RH
CA tem 12 semanas de licença paternidade

No Brasil, a companhia oferece às mulheres uma licença de 180 dias (15 semanas).

PORTO ALEGRE
Aliança para Inovação está bombando

O evento de abertura dos trabalhos atraiu 600 pessoas na capital gaúcha.