Raphael Pinho, Marcos Buaiz e Rafael Coca, fundadores da Spark. Foto: divulgação.

A Spark, startup brasileira especializada em marketing de influência, acaba de receber um aporte de R$ 8 milhões no modelo de venture capital liderado pela Apex Partners, gestora de investimentos que opera com o BTG Pactual.

A operação contou com a assessoria da Pipeline Capital, empresa de fusões e aquisições.

Fundada em 2015 pelos publicitários Rafael Coca e Raphael Pinho, ao lado do empresário Marcus Buaiz, a empresa possui escritórios em sete cidades brasileiras: São Paulo, Curitiba, Manaus, Vitória, Porto Alegre, Brasília e Salvador.

Ainda neste mês, a startup inaugura mais uma operação, desta vez em Belo Horizonte.

A Spark atua no desenvolvimento e gerenciamento de projetos de ativação de marcas por meio das redes sociais de influenciadores digitais, apoiados por uma plataforma tecnológica própria.

Já são mais de 2,5 mil projetos desenvolvidos para anunciantes como Universal Pictures, Via Varejo, Reckitt Benkiser, Grupo Petrópolis, Itaú, Mastercard, Nestlé, Unilever, Johnson & Johnson's, BRF e Ambev.

A rodada de investimento ocorre no momento em que a empresa acaba de recomprar suas ações do grupo colombiano Fluvip, que em 2016 havia adquirido parte da brasileira. Em 2020, a Spark retomou 100% do controle da operação e voltou a ser comandada pelos sócios fundadores.

Apesar da separação dos negócios, a empresa mantém um acordo operacional com a Fluvip para execução de projetos por meio dos escritórios locais da colombiana nas principais capitais da América Latina.

"Toda essa movimentação de recompra das ações da Spark tem como objetivo focar no desenvolvimento dos nossos negócios no mercado brasileiro, já que o universo de conteúdo e influência digital tem enorme potencial no país. Nosso segmento seguiu crescendo mesmo diante de um cenário macro extremamente desafiador", conta Rafael Coca, sócio-fundador da Spark.

A startup fechou o primeiro semestre deste ano com um crescimento de 60% em comparação com o mesmo período do ano anterior. O montante está 13% acima do projetado para o período, mesmo com a crise provocada pela pandemia.

O período também concentrou os dois meses de maior faturamento da história da empresa desde sua fundação.

Com o novo investimento, a Spark pretende impulsionar o crescimento da empresa com a abertura de novas áreas de negócios, contratação de equipe e capacitação de profissionais.

Segundo a startup, o foco será ampliar a oferta de serviços ligados ao universo de conteúdo e influência digital, o que deve acontecer também por meio de fusões e aquisições. 

"Nosso trabalho é levar diversificação de investimentos aos nossos clientes e dentro desse cenário, avaliamos negócios promissores e inovadores em diversos segmentos. A Spark se destacou nessa curadoria especialmente pelo crescimento exponencial que o segmento de marketing de influência vem apresentando no país”, explica Fernando Cinelli, presidente da Apex Partners.

A Apex Partners, que tem como objetivo impulsionar o scale-up da empresa e acompanhar sua consolidação no mercado nacional, já captou mais de R$ 35 milhões para empresas de tecnologia de diversos segmentos. Entre elas, estão Singu, Luma e Shipp.