As pet shops poderão vender serviços como consultas, tosas e vacinação. Foto: Pexels.

O banco japonês Softbank está investindo R$ 250 milhões na Petlove, e-commerce de produtos para animais de estimação.

De acordo com o site Brazil Journal, a Petlove vai usar os recursos para agregar ao seu e-commerce tradicional o modelo 3P, um marketplace onde as pet shops poderão vender serviços como consultas, tosas e vacinação.

Nos últimos nove anos, a Petlove foi de um faturamento de R$ 4 milhões para R$ 440 milhões esperados em 2020.

Mais de 65% do faturamento da empresa vem de assinaturas, em que o cliente monta uma cesta de produtos que lhe é enviada regularmente.

Ainda de acordo com a publicação, a companhia tem 160 mil assinantes ativos e a receita com assinaturas cresce 80% ao ano.

O mercado pet movimenta cerca de R$ 24 bilhões ao ano no Brasil, mas permanece fragmentado. Os líderes Cobasi e Petz faturaram cerca de R$ 1,1 bilhão cada, enquanto a Petlove fica com o terceiro lugar.

“Nos Estados Unidos, a Chewy já mostrou que o modelo de assinatura é o modelo vencedor. Você tem menos capital empregado, menos capital de giro, mais sortimento e uma logística programada”, disse Paulo Passonio, managing investment partner do Softbank, ao Brazil Journal.

Este é o 17º investimento do Softbank Latin America Fund, que já investiu 30% dos US$ 5 bilhões alocados ao fundo.

Com o investimento, o Softbank se junta à Tarpon como um dos dois maiores acionistas da Petlove.

Fundada em 1999, a Petlove só viu seu faturamento ganhar tração a partir de 2010, com geração positiva de caixa começando somente em 2017.

Ano passado, o investimento da Tarpon permitiu que a Petlove comprasse a Vet Smart, um aplicativo usado por 110 mil veterinários cadastrados, de um total de 140 mil que trabalham no Brasil, para ajudar na prescrição de medicamentos e dietas.