Fábio Faria é próximo de Bolsonaro. Foto: Facebook.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou no Facebook na noite desta quarta-feira, 10, a recriação do ministério das Comunicações, sob o comando do deputado federal Fábio Faria (PSD-RN).

Fábio Faria é genro de Sílvio Santos, dono do SBT, e tem uma relação próxima com a família Bolsonaro, ficará agora no comando de uma pasta que tem na sua esfera decisões sobre o 5G e o controle dos Correios.

Ele é filho do ex-governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, e deputado federal desde 2006, ficando normalmente entre os quatro mais votados no estado.

A nomeação está sendo considerada como parte da "cota pessoal" de Bolsonaro, inclusive despertando ciúme em outros partidos do Centrão, segundo relata a CNN.

O Centrão, grupo de partidos conhecidos por trocar cargos por apoio político que vem ganhando espaço no governo nas últimas semanas.

O ministério das Comunicações havia sido unificado no começo do governo com o da Ciência e Tecnologia, sob o comando do ex-astronauta Marcos Pontes, dentro da meta de reduzir o número de ministérios, que começaram sendo 15 e agora chegam a 23. 

O nome de Faria, aliás, já era especulado desde abril como um possível novo ministro de Ciência e Tecnologia.

Ao que parece, Bolsonaro optou por outra articulação, colocando Farias à frente de um ministério com a missão de “pacificar a relação com a imprensa”, de acordo com o site Antagonista.

O número dois do ministério será Fábio Wajngarten, secretário de comunicações do governo e responsável pela verba de publicidade estatal. A estrutura contará também com a Empresa Brasileira de Comunicação, que comanda a TV Brasil.

A movimentação preserva Pontes, um dos primeiros ministros anunciados por Bolsonaro, ainda que em um ministério esvaziado. Pontes teria ficado sabendo da novidade pela imprensa.

Bolsonaro reconheceu que a escolha do novo ministro não é técnica, mas justificou a nomeação pela proximidade com dono do SBT. "Vamos ter alguém que não é um profissional do setor, mas que tem conhecimento até pela vida que tem junto à família do Silvio Santos", afirmou o presidente, segundo relata a TV Cultura.

O SBT, como é sabido, tem feito uma cobertura mais simpática do governo Bolsonaro do que outros canais de televisão, com direito a entrevistas exclusivas do presidente em atrações populares como o programa do Ratinho.

Mais recentemente, o canal chamou atenção por colocar no ar 15 minutos da famosa reunião ministerial de Bolsonaro, sem dar nenhuma explicação preliminar. O trecho era tido como favorável à imagem do presidente. 

Sílvio Santos também interveio diretamente no jornalismo da emissora, ao saber da insatisfação de Bolsonaro com a cobertura.