Uma equipe típica de startup. Foto: Pexels.

Startup no Brasil é coisa de homem. Pelo menos, é o que indica um levantamento da Associação Brasileira de Startups com três mil empresas, nas quais em 26,9% dos casos, não trabalha nenhuma mulher.

A cifra é a maior entre todas as listadas. Em 17,4%, a participação feminina vai de 6% a 25% do time total. 

Em outras 18,6%, fica um pouco acima, entre 25% e 49%. Só em 15% as mulheres chegam a representar a metade.

A baixa presença de mulheres pode ter que ver com o fato de que 59,2% dos fundadores de startup são homens e a mostra da pesquisa inclui principalmente empresas pequenas.

Mais da metade da mostra (57,4%) é composta por empresas com times entre 1 e 5 pessoas em fase de validação (31,6%), o que provavelmente implica nos fundadores e um que outro funcionário.

Outros 24,6% são empresas entre 6 e 10 pessoas, nos quais já poderia haver alguma mulher. Startups com mais de 200 pessoas não chegam a 2% dos pesquisados.

A despeito da realidade atual, 88,4% dos respondentes acreditam que sua startup apoia a diversidade, sendo que 75,1% considera importante ou muito importante apoiar o tema.

Fundada em 2011, a Associação Brasileira de Startups (Abstartups) é uma entidade sem fins lucrativos, que possui mais de 13 mil startups em sua base de dados e tem como missão promover o ecossistema brasileiro de startups.