LOGÍSTICA 4.0

Como a Huawei aplicou o 5G no seu armazém

16/12/2021 11:10

A companhia melhorou em 25% a eficiência operacional do centro de distribuição brasileiro.

Rede privada possibilitou uso de tecnologias como os veículos autoguiados. Fotos: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Huawei afirma ter melhorado em 25% a eficiência operacional do centro de distribuição brasileiro da companhia, localizado em Sorocaba, São Paulo, com a implementação de tecnologias conectadas a uma rede 5G privada.

Ainda em agosto de 2020, após autorização especial da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a empresa implantou o projeto no armazém de 22 mil metros quadrados junto com a operadora Vivo.

20210804-174954-e-Space-1

No total, foram instaladas 12 antenas com cobertura de 2 mil metros quadrados cada, capazes de conectar até 300 dispositivos inteligentes. Utilizando a nova conexão, que é complementada com o Wi-Fi 6, a companhia aplicou novas tecnologias em oito cenários.

A primeira delas é a armazenagem e estoque com RFID. Na prática, as etiquetas de papel para a expedição e recebimento no CD foram trocadas por etiquetas RFID e cartões RFID apagáveis de Frequência Ultra-Alta (UHF, na sigla em inglês).

Com o sistema, agora é possível visualizar em tempo real todo o processo, pesagem completa e transações de entrada e saída, além de escanear as prateleiras camada por camada, comparar locais de armazenamento e caixas de material, identificar materiais desembalados e completar o estoque sem retirá-los da prateleira.

A contagem de inventário das matérias-primas, realizada a cada três meses, antes demorava dois dias para ser realizada e, agora, leva duas horas. Já o processo completo de stock taking foi reduzido de quatro para dois dias.

No local, a empresa também utiliza ferramentas de scanner 5G, como assistente pessoal digital (PDA) industrial, leitor de código de barras portátil e leitor de radiofrequência portátil, com os quais os profissionais gerenciam a entrada, saída e retirada do estoque.

Outra tecnologia implantada no armazém foi o controle de veículos autoguiados (AGVs, na sigla em inglês) baseados em nuvem, com 12 robôs móveis autônomos (AMRs), equipamentos que navegam a partir de sensores e câmeras.

20210804-163232-e-Space

No processo de armazenagem, eles são utilizados para fazer o transporte de matéria-prima e equipamentos dentro do CD. Cada robô tem capacidade para carregar 800 quilos, bateria com duração de seis horas e recebe as informações em tempo real.

Já o uso de empilhadeiras móveis autônomas, projetadas para transportar paletes e racks em passagens extremamente estreitas, ainda está sendo configurado e deve entrar em operação em janeiro de 2022.

Neste caso, os módulos que requerem alto desempenho em tempo real são a coleta de dados de sensores, controle de movimento e prevenção de obstáculos de emergência.

No centro de distribuição, a Huawei também utiliza um robô de diagnóstico remoto 5G, um sistema automático que integra o robô inteligente AGV e realiza a detecção de temperatura, umidade e fumaça, com interação remota de áudio e vídeo e comunicação remota em rede.

Ele é usado para substituir a inspeção manual de rotina em áreas de alto risco e fornecer suporte remoto para o turno noturno e exceções de fim de semana.

Whats-App-Image-2021-12-08-at-11-21-48-4

Outra solução aplicada no armazém é o cloud test, novo método de teste baseado na tecnologia de cloud computing, que pode ser utilizado em ambiente de software, hardware, software adaptável, teste automático das funções e teste de desempenho.

Como a conexão 5G não precisa de cabos, ela também foi utilizada para montar a linha de produção de forma flexível. Caso houvesse uma rede cabeada, seria necessário um reinvestimento cada vez que o layout dela fosse ajustado.

Por fim, foi implantada a vigilância  por vídeo 5G, no qual as redes sem fio são usadas para carregar dados de vídeo em nuvem, com armazenamento em grande escala e análise de vídeo por inteligência artificial.

20210804-163348-e-Space

Com as implantações, a Huawei também observou uma redução de 30% no ciclo de produção, a melhoria de 20% no giro de estoque, assim como a eliminação total dos erros operacionais e do uso de papel.

Outros resultados observados foram o maior controle do armazém e do estoque, monitoramento amplo dos veículos, minimização de problemas com a identificação de falhas mecânicas antes que acontecessem e ampliação das conexões sem fio.

“Essas conquistas têm um papel muito importante para a nossa companhia, para os nossos clientes e para a sociedade. Esse armazém inteligente definitivamente é o principal local onde os produtos e soluções hi tech da Huawei são montados e entregues para os nossos clientes e, no final, servem todos os cidadãos brasileiros”, explica Mr. Yinhui, presidente de CNBG da Huawei.

Whats-App-Image-2021-12-08-at-11-21-46-1

Agora a chinesa lançou um estudo sobre o case e, segundo a empresa, o objetivo não é vender diretamente as aplicações. A ideia é difundir o uso do 5G na logística e em outras indústrias, o que deve beneficiar a implantação por parte das operadoras, que são suas clientes.

Fundada em 1987, a Huawei tem sede em Shenzhen, na China, e está presente em mais de 170 países com 54 mil produtos e 190 mil funcionários, atendendo mais de um terço da população mundial. Em 2020, faturou US$ 136,7 bilhões, alta de 11,2% em relação ao ano anterior.

Há 23 anos no Brasil, a companhia é líder no mercado nacional de banda larga fixa e móvel e possui escritórios nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba e Recife, além de um centro de distribuição em Sorocaba e um centro de treinamento na capital paulista.

*Luana Rosales visitou o centro de distribuição da Huawei, em Sorocaba (SP), a convite da companhia.

Veja também

START
Brasil começa a ter 5G para valer

Algar Telecom sai na frente e lança o serviço em três cidades a partir desta quarta-feira, 15.

INVESTIMENTOS
Huawei: projetos voltados à cibersegurança no Brasil

Além de ter um T-Center em São Paulo, a chinesa apoia um centro de segurança em Minas Gerais.

LEILÃO
Huawei: “segurança é uma questão técnica, não política”

Diretor de segurança da chinesa e membros do governo falaram sobre a polêmica do 5G.

FUTURO
Pensando em segurança para a era 5G

Nova geração da telefonia vai ser um divisor de águas, também para os criminosos digitais.

FINANCEIRO
TecBan lança caixa eletrônico com tecnologia 5G

Em projeto pioneiro na América Latina, já se observa menor tempo de resposta e maior velocidade.

PESQUISA
Vivo, Ericsson e FEI terão centro de soluções 5G

Foco do projeto será em internet das coisas para o desenvolvimento da indústria 4.0.