Jaguarão é lá na fronteira com o Uruguai. Foto: flickr.com/photos/cadeafoto/

Jaguarão, cidade na fronteira com o Uruguai, a 400 km de Porto Alegre, vai investir cerca de R$ 300 mil para migrar os sistemas da prefeitura e da câmara de vereadores do software da Dueto para o software open source e-Cidades, a ser implementado pela DBSeller.

O valor é o estimado no edital. A DBSeller não revelou qual foi o valor fechado no pregão presencial realizado na terça-feira, 25. A reportagem do Baguete entrou em contato com a prefeitura da cidade, que não retornou.

“Teremos mais autonomia de gestão, algo que não possuíamos com a empresa anterior e teremos praticamente um pacote completo de módulos, assim como não dependeremos mais de programas pagos para rodar o software de gestão como Windows e SQL Server”, afirma o diretor de TI da prefeitura municipal de Jaguarão, Mauro Alves, em material distribuído pela DBseller.

A pequena cidade de 27 mil habitantes é mais um exemplo do avanço do e-Cidades, solução de gestão para prefeituras que teve o código aberto pela DBSeller no Portal do Software Público em 2009.

Desde então, concorrentes da área de ERP para prefeituras tem feito críticas ao que consideram uma intromissão indevida do governo no mercado. Um dos detratores mais enfáticos é justamente Mário Sebben, um dos diretores da Dueto.

Não se sabe qual é a base de usuários do e-Cidades hoje – o software pode ser baixado diretamente ma Internet -  mas representantes do Ministério do Planejamento informaram a reportagem do Baguete em julho que 55 prefeituras deram feedback sobre o software.

O número deve aumentar muito mais com a entrada em vigor do programa Cidades Digitais, pelo qual o e-Cidades será instalado em 342 muncípios rodando a partir da nuvem do Serpro.

A título de comparação, empresas com soluções proprietárias como a IPM, de Florianópolis, afirma ter uma base de 300 clientes e Dueto, de Porto Alegre, outras 650, 184 delas só no Rio Grande do Sul.