NOVO UNICÓRNIO

VTEX capta mais US$ 225 milhões

28/09/2020 12:33

De acordo com o Brazil Journal, anúncio oficial sai nos próximos dias.

Geraldo Thomaz e Mariano Gomide, co-CEOs da VTEX. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A VTEX, dona de plataforma de e-commerce com sede em São Paulo, acaba de captar US$ 225 milhões em rodada série C com valuation de US$ 1,7 bilhão, o que transforma a empresa no mais novo unicórnio brasileiro.

De acordo com o site Brazil Journal, o anúncio formal deve ser feito nos próximos dias.

A rodada foi liderada pela Tiger Global Management, um investidor de early stage do Facebook e do Linkedin. Também fazem parte do investimento a Lone Pine Capital, uma gestora de Nova York, além do Softbank e da Constellation, dois dos atuais acionistas da VTEX.

A VTEX foi fundada em 1999 por Geraldo Thomaz e Mariano Gomide de Faria, que dividem a posição de CEO da empresa.

Desde 2014, o Riverwood Capital, um dos fundos de growth do Silicon Valley mais atuantes na América Latina, é acionista da empresa e, cerca de um ano atrás, Softbank, Constellation e Gávea Investimentos injetaram R$ 140 milhões na companhia.

Segundo o relatório IDC Worldwide Digital Commerce 2019 Market Share, a VTEX é a plataforma de e-commerce que mais cresce no mundo, com um aumento de faturamento de 44,1%, quase quatro vezes a média mundial de 13,2% no segmento.

O estudo ainda elegeu a companhia como uma das plataformas líderes do B2C, junto com nomes como Salesforce e Adobe e à frente de gigantes como SAP e Oracle.

Nos últimos seis anos, a VTEX tem crescido cerca de 46% ao ano, mas digitalização forçada pela pandemia deve fazer o negócio crescer ainda mais, dobrando de tamanho em 2020 — com uma receita líquida que deve chegar a US$ 100 milhões nesse período.

Hoje, a empresa conta com 2,5 mil clientes em 28 países. A lista inclui nomes como Boticário, Whirlpool, Electrolux, Sony, Walmart, L´Oréal, Coca-Cola, Nestlé, Motorola, Samsung e Black&Decker.

Com o novo aporte e um valor de mercado cinco vezes maior do que no ano passado, a VTEX pretende contratar mais 160 desenvolvedores, aumentar suas funcionalidades de omnichannel e marketplace e investir no atendimento em todas as regiões em que atua.

Ainda de acordo com a publicação, pessoas próximas aos fundadores informaram que essa deve ser a última rodada antes de um provável IPO da empresa nos Estados Unidos, que pode acontecer já no segundo semestre do ano que vem.

Na América do Norte, a companhia mais comparável à VTEX é a canadense Shopify, que negocia a cerca de 40 vezes a receita estimada para 2021 e vale US$ 116 bilhões na NYSE.

A diferença entre elas é que a Shopify começou com clientes na base da pirâmide e subiu até o meio, enquanto a VTEX começou com os clientes do meio da pirâmide e foi subindo para o topo.

Veja também

BOLA DENTRO
Penalty: e-commerce em casa com VTEX

Marca trocou de plataforma e estratégia de gestão operacional, que antes era da FutFanatics.

SERVIÇOS
Tumelero: ajudinha pelo WhatsApp

Rede de materiais de construção oferece ajuda gratuita no uso de 2,5 mil produtos.

QUADRADOS
VTEX promovida no Quadrante do Gartner

Plataforma brasileira passou a ser considerada uma “visionária” pela consultoria.

CALÇADO
Marcas da Paquetá apostam em e-commerce

Capodarte e Dumond agora tem aplicativos para celular feitos pela Neomode.

CLIENTES
Omie: ERP de graça até dezembro

Companhia está preparada para deixar de ganhar R$ 12 milhões com a jogada.

CONTRATAÇÃO
Tempest tem nova diretora de vendas para AllowMe

Com 14 anos de experiência, Lívia Soares passou a maior parte de sua carreira na VTEX.

EM ALTA
VTEX é a plataforma de e-commerce que mais cresce no mundo

Com 44,1% brasileiros estão na frente da Commercetools, Shopify, BigCommerce e Salesforce.

EVENTOS
VTEX Day é cancelado

2020 deve ser um ano sem grandes eventos de tecnologia. Futurecom é a última exceção.

 

RELACIONAMENTO
B.blend tem estratégia de marketing com Salesforce

Joint Venture da Whirlpool com a Ambev aumentou em mais de 160% vendas por e-mail e SMS.

INTELIGÊNCIA
Cortex recebe aporte de R$ 120 milhões

Fundada em 2003, empresa é mais uma aposta do SoftBank no Brasil.