77% dessas startups já pivotaram em algum momento. Foto: Pexels.

Mais da metade das startups inscritas no programa de aceleração da Visa iniciaram seu negócio com aportes de até R$ 500 mil.

Das 175 participantes do programa em 2019, a maior fatia recebeu investimentos entre R$ 100 mil e R$ 500 mil, grupo que representa 44,6%. Outros 9,2% receberam um valor ainda menor: até R$ 50 mil.

Entre as que tiveram aportes mais robustos, 38,5% receberam de R$ 500 mil a R$ 2 milhões e, 7,7% disseram ter recebido aportes acima de R$ 2 milhões.

As fontes dos investimentos são diversas, sendo divulgado apenas que 5,4% são aceleradoras, 4,5%, investidores-anjo e 4,5%, fundos de investimento.

A maioria das startups que se inscreveram no programa, 55%, tem entre um e cinco anos de existência, enquanto 28% têm até um ano de idade.

Ainda que as fintechs estejam em maior número, também participam startups de mobilidade urbana, big data, inteligência artificial, blockchain e machine learning.

Outro dado relevante é que 77% dessas startups já mudaram de segmentação ou de solução em algum momento.

Entre elas, 22% mudaram apenas uma vez e 3% afirmaram ter pivotado mais de cinco vezes. Cerca de 23% nunca mudaram e seguem na sua proposta inicial. 

Sobre faturamento, 49% afirmaram que seus ganhos mensais variam entre R$ 5 e R$ 40 mil.

Outras 21% faturam entre R$ 100 mil e R$ 500 mil por mês e apenas 11% ganham até R$ 5 mil mensais.

Os principais desafios citados pelas startups são questões relacionadas às finanças, como investimento e fluxo de caixa, e a dificuldade em obter clientes, ambos com 14%.

Em seguida, vêm os problemas com a regulamentação, com 13%. 

No ano anterior, os obstáculos mais citados foram diferentes: burocracia, inovação e concorrência.

Sobre as equipes, cerca de 38% das startups possuem menos de 10 funcionários e 31% delas têm entre 10 e 30. 

As idades dos times variam: 64% têm pessoas com até 35 anos e 22% possuem uma equipe ainda mais jovem, com idade máxima de 25 anos. 

Os homens ainda são maioria nas equipes, mas 61% das startups contam com mulheres no time.

São Paulo continua como o estado de origem da maioria e representa 48,8% do total. 

Os outros estados que se destacam são Minas Gerais, com 10,5%, Paraná, 9,3%, e Santa Catarina, 6,4%, além de Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, ambos com 5,2%.

O programa de aceleração Visa está em seu terceiro ano.

Na edição de 2019, nove startups foram escolhidas para passar por um processo de imersão, bootcamp e mentorias com executivos da companhia, além de duas semanas no Vale do Silício, nos Estados Unidos. 

No total, o Programa de Aceleração Visa selecionou 58 startups ao longo deste período. 

No ano passado, 43% das startups da 1ª turma e 29% da 2ª fecharam contratos com a Visa e/ou clientes e parceiros, totalizando 14 negócios concretizados até o momento. 

Segundo a Visa, outras 15 oportunidades comerciais ainda estão em discussão e devem ser firmadas nos próximos meses.