NEGOCIAÇÃO

Microsoft topa desconto de 22% para governo

03/07/2020 13:24

Grandes companhias de tecnologia estão sendo pressionadas pelo governo a baixar preços.

Chegou a temporada de descontos em tecnologia. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

A Microsoft fechou um acordo com o Ministério da Economia se comprometendo a vender uma tabela com 2 mil produtos para o governo com um preço 22,71% menor nas licitações públicas daqui para frente.

O acordo é extensível aos três poderes nas esferas federal, estadual e municipal e incluem ferramentas de colaboração e produtividade, desde o Office 365 até serviços da plataforma de dados da Microsoft, incluindo BI e Analytics. 

A partir da publicação do acordo, órgãos públicos só podem adquirir produtos da Microsoft seguindo os valores máximos estipulados, já com o desconto. A meta é chegar a uma média de 20% de desconto entre todos os grandes fornecedores até 2022.

“Esse acordo é fruto do compromisso da Microsoft de pavimentar caminhos que auxiliem na transformação digital do governo, possibilitando a contratação de produtos e serviços de tecnologia que são peça-chave para a inovação, ganho de eficiência e agilidade, e para a entrega de melhores serviços ao cidadão”, afirma Tânia Cosentino, presidente da Microsoft Brasil.  

Na verdade, a Microsoft está se dobrando à nova política de preços do governo, que está negociando acordos do tipo com diversos grandes fornecedores.

No ano passado, a Microsoft não negociou e a Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia impôs um desconto de 35% de maneira unilateral.

Recentemente, o governo fez a mesma coisa com Adobe e Broadcom (para a linha de produtos Symantec), impondo descontos de 22,49% para a primeira e de 21,67% para a segunda, em ambos os casos para 11 produtos e serviços. 

A Qlik negociou e o desconto ficou em 10,87%, para 22 itens, entre eles, a aquisição de licenças de produtos da plataforma Qlik, como o Qlik Sense.

“Este é um modelo que reforça uma tendência de desburocratização e austeridade, que deve padronizar os processos de aquisição de tecnologias para a transformação digital em mais de 200 órgãos públicos", afirma Eduardo Kfouri, vice-presidente e gerente geral da Qlik para América Latina.

As declarações de Kfouri e Cosentino fazem parte de notas da Qlik e Microsoft divulgando os acordos com o Ministério da Economia, um fato inédito até agora nas negociações entre o governo e as gigantes de TI, iniciadas no ano passado.

Ao que tudo indica, as duas empresas decidiram seguir a máxima de fazer limonada com os limões que a vida oferece. A estimativa do governo é que a economia com os descontos fique em pelo menos R$ 112 milhões em 2020. 

Quem não aceitou a situação foi a Assespro, entidade que representa 2,5 mil empresas brasileiras de tecnologia, a maioria delas médias e pequenas, contanto com um número significativo de parceiras de empresas como a Microsoft ou então desenvolvedoras de versões nacionais dos produtos cujos preços estão sendo reduzidos.

A entidade encaminhou um ofício ao governo federal questionando a decisão do governo de negociar descontos com os maiores fornecedores de tecnologia da informação e comunicação do governo.

“O modelo proposto pode levar à coordenação anticompetitiva de preços por parte dos competidores de maior porte e barreira à entrada de empresas de menor porte”, diz o ofício assinado por Italo Nogueira, presidente da Assespro Nacional.

Seja tendo que encurtar suas margens para oferecer os produtos das multinacionais ou tendo que baixar o seu preço para competir, essas companhias estão prejudicadas.

Na sua nota, a Assespro afirma que acredita que as compras públicas são “um fator indutor do processo de crescimento econômico e de geração de emprego e renda” e que o sistema de compras concentradas “reduz a saudável variedade de oferta de soluções, especialmente em um segmento tecnológico e estratégico”.

Veja também

PANDEMIA
IBM oferece consultoria gratuita para São Paulo

Funcionários da empresa estão fazendo mais de 26 mil horas de voluntariado na América Latina.

CAPTURE THE FLAG
PF encontra hackers de Bolsonaro e militares

Três mandados de busca e apreensão foram cumpridos no Rio Grande do Sul e no Ceará.

RESPOSTA
Huawei se defende da ameaça de Bolsonaro

Ameaçada de ficar fora do leilão do 5G pelo presidente, chinesa dispara uma longa indireta.

E-COMMERCE
Mercado Livre terá centro na Bahia

Novo CD foca Nordeste. No Sul, segue a briga entre Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

DEU PRA TI
Mercado Livre desiste do Rio Grande do Sul

Rolo tributário gaúcho levou gigante de e-commerce a desistir de abrir CD em Gravataí.

DADOS
Funcionários públicos recebem auxílio emergencial

Tribunais de Contas dos estados do Espírito Santo, Santa Catarina, Ceará e Goiás descobriram fraudes.

COVID-19
Hospitais paulistanos têm gestão com Tasy

Já instalado na unidade do Ibirapuera, software da Philips agora foi adotado no Anhembi e em Parelheiros.

BLOQUEIO
Bolsonaro: porta fechada para a Huawei?

Ala anti-chinesa do governo está ganhando força e limitações podem ser impostas no 5G.

VIRADA
Ministério da Economia prepara compra de nuvem

É a segunda grande licitação de nuvem a partir do governo federal. AWS ganhou a primeira.

MEDIDAS
CI&T: home office até o fim do ano

Mais uma empresa de TI decide manter os profissionais em casa por segurança.

FIM
Ceitec rumo à liquidação

Parte da estatal pode seguir como uma OS focada em design de chips.

NOMES
Genro de Silvio Santos assume Ministério das Comunicações

Ministério foi recriado por decreto presidencial e será assumido por Fábio Faria (PSD).