MUDANÇA

SUSE terá estratégia de aquisições

05/04/2019 09:21

De volta em voo solo, empresa de open source promete consolidar mercado.

Michael Miller, presidente de estratégia, alianças e marketing da SUSE.

Tamanho da fonte: -A+A

A SUSE, empresa de software open-source, vai estabelecer uma estratégia de aquisições a partir de sua nova atuação como empresa independente.

Desde o dia 15 de março, a SUSE voltou a atuar de forma autônoma, após a conclusão da compra da empresa pelo grupo de investimentos sueco EQT por US$ 2,53 bilhões. 

Antes, a empresa fazia parte do grupo Micro Focus, depois de passar pelas mãos da Novell (de 2003 a 2011) e da Attachmate (entre 2011 e 2014).

Com o novo modelo de operação, a empresa espera dar continuidade ao aumento de receita orgânico obtido durante o período em que esteve vinculada à Micro Focus, além de estabelecer um plano de crescimento via aquisições.

A receita da empresa cresceu aproximadamente 15% no ano fiscal de 2018, chegando próximo da marca de US$ 400 milhões. 

De acordo com a SUSE, as operações da empresa em todas as regiões do mundo tiveram crescimento de faturamento no ano passado.

"Definitivamente queremos crescer novamente na faixa de dois dígitos no futuro próximo", diz Nils Brauckmann, CEO da SUSE.

Globalmente, a empresa conta com uma equipe de 1,7 mil pessoas em 34 países.

"Com a EQT no papel de growth investor, nós vamos implementar uma estratégia de aquisições. Organizamos a empresa de uma nova maneira e Michael Miller, presidente de estratégia, alianças e marketing, atua agora também com a tarefa de identificar os alvos em termos de tecnologias e capacidades que podemos adicionar ao negócio", explica Brauckmann.

O executivo destaca que a empresa busca avançar em ofertas para gerenciamento de ambientes multi-cloud, nativo em nuvem e de nuvem híbrida.

"Tudo gira em torno de containers e Kubernetes, uma área em que queremos crescer mais", declara o CEO.

De acordo com Miller, o caminho para a estratégia de fusões e aquisições é trazer novas capacidades e pessoas qualificadas. 

"A Cloud Application Platform é uma das ofertas que queremos avançar. Há ótimas tecnologias de base nela, como Cloud Foundry e Kubernetes, mas para criar uma solução completa para enterprise, que tenha a maturidade que os clientes esperam, há muito o que fazer ainda. Muitas das tecnologias envolvidas são novas, então há questões como segurança, redes, gerenciamento em grande escala e outras capacidades que podem ser incrementadas", detalha Miller.

A Cloud Application Platform é uma plataforma de entrega de aplicativos que busca levar uma experiência de desenvolvimento nativa em nuvem para Kubernetes - o padrão de fato para orquestração de contêiner empresarial. 

De acordo com a empresa, a simplificação da entrega de aplicativos abre um caminho para aumentar a agilidade dos negócios, liderada pelas equipes de desenvolvimento corporativo, operações e DevOps.

O recurso de implantação de aplicativo em uma etapa permite que os desenvolvedores simplesmente levem aplicativos de sua área de trabalho usando CLI ou uma interface de usuário web. 

A SUSE Cloud Application Platform configura automaticamente o ambiente, fornece as dependências necessárias, vincula os serviços necessários e implementa o aplicativo como um contêiner, que é gerenciado e dimensionado automaticamente.

* Júlia Merker viajou a Nashville para o SUSEcon 2019 a convite da SUSE.

Veja também

OPEN SOURCE
SUSE de volta em voo solo

Companhia apresenta seu novo posicionamento como player independente.

OPEN SOURCE
Micro Focus vende Suse por US$ 2,53 bi

Com a venda para o fundo de investimento EQT, a Suse volta a ser uma empresa independente.

MONITORAMENTO
Zabbix tem conferência em Porto Alegre

Evento latino americano acontece em três dias em abril.

ESTRATÉGIA
Debate sobre nuvem chega na Justiça

Mega contrato do TJ-SP com a Microsoft é suspenso, mas nada está decidido ainda.

NUVEM
Embratel: multi cloud com Ustore

A Embratel vai usar tecnologia da startup pernambucana e para oferecer um painel de gestão de nuvens em ambiente híbrido.

NUVEM
IBM compra Red Hat por US$ 34 bilhões

A aquisição é a segunda maior da história da TI corporativa, atrás da fusão entre Dell e EMC.

 

CONTRATAÇÃO
Red Hat tem gerente de Customer Success

Cláudia Pereira já atuou na TransUnion, onde foi gerente de Customer Services.

GOVERNO
CGU troca open source por SharePoint

Solução vai organizar a comunicação dos seus 2,5 mil funcionários em todo país.

OPEN SOURCE
TST libera software de eSocial

O uso do eSocial passará a ser obrigatório para o setor público a partir de 1° de janeiro de 2019.