Rodrigo Lobo. Foto: divulgação

Tamanho da fonte: -A+A

O Grupo UOL anunciou a criação da Edge, uma spin off da Compass focada em edge computing, 5G e serviços de infraestrutura de TI de “última geração”.

A nova unidade será liderada por Rodrigo Lobo, ex-diretor de engenharia e operações da Compass, um profissional com 12 anos de UOL, empresa na qual entrou com a aquisição da Diveo.

Talvez o leitor esteja se sentindo um pouco perdido, o que é normal, tendo em conta a quantidade de compras, vendas, trocas de nomes e outras operações realizadas pela UOL na sua área de tecnologia nos últimos anos.

É um bom momento para fazer uma recapitulação de 20 anos de movimentações no meio de TI do UOL, um pioneiro da Internet brasileira e até hoje um dos sites mais lidos do país.

Sempre esteve nos planos do UOL ser um player forte em TI, provavelmente visando alavancar a experiência adquirida em gerenciar a sua própria infraestrutura.

Entre 2000 e 2012, a empresa fez uma série de aquisições, comprando meia dúzia de empresas com negócios em áreas tão diferentes como serviços de TI, soluções Oracle, testes, monitoramento, meios de pagamento, supply chain, NF-e e SPED.

O ponto alto da movimentação foi a compra da Diveo, uma companhia com forte presença no que então era o mercado de hosting, em um negócio de R$ 693,5 milhões anunciado no final de 2010 (no câmbio de R$ 1,68 da época, isso era US$ 412 milhões).

Foi quando surgiu a UOL Diveo. A grande tacada não emplacou como o esperado e o apelo corporativo do nome Diveo foi perdendo a relevância no meio corporativo com o tempo.

No começo de 2020, a UOL decidiu por uma mudança de rumos, dividindo a UOL Diveo em duas empresas diferentes: a Compasso, que focará no lado de desenvolvimento de software e transformação digital e a UD, onde ficará o lado de datacenter da empresa.

O movimento mais chamativo da divisão foi a aposta na Compasso, uma empresa gaúcha na qual o UOL Diveo adquiriu uma participação de 51% em 2013, porcentagem que foi elevada para quase 100% no ano passado.

A divisão provavelmente já tinha em vista uma venda da operação UD, o que aconteceu dois meses depois.

O comprador foi o fundo de investimentos americano Colony Capital, que criou um novo player: a Scala Data Centers S/A.

Não foi revelado o valor do negócio. De acordo com fontes ouvidas pela Bloomberg, o fundo avaliou os ativos adquiridos entre US$ 300 e US$ 400 milhões, algo entre R$ 1,6 bilhão e R$ 2,1 bilhões, com o dólar em R$ 5,46.

Depois da divisão, a Compasso decolou, quadruplicando o número de funcionários para 4 mil e criando um portfólio que cobre todo um espectro de tecnologias mais faladas do momento, sob o guarda chuva “transformação digital”: RPA, chatbots, reconhecimento facial, IoT e Big Data. 

Mais recentemente, a empresa começou a fazer aquisições, inclusive no exterior, como a multinacional Invillia, de soluções end-to-end, atua em países como Portugal, Holanda, Inglaterra e México ou as americanas Content Thread, uma agência digital especialista em tecnologias Adobe e a Edgy Labs, focada em soluções avançadas de SEO.

No começo de novembro, a Compasso trocou de nome para Compass, uma pequena alteração do nome visando tornar a marca mais conhecida no mercado internacional.

No meio de tudo isso, parece que a UOL ainda tem planos para a área de infra, o que nos leva de volta para a criação do Edge.

De acordo com o UOL, a empresa terá quatro focos: edge computing, tecnologias de virtualização, 5G e operações autônomas, visando a “modernização da infraestrutura” das organizações, incluindo arquitetura, implementação e sustentação, com tecnologias, cyber security e governança ágil.

Colocando de maneira mais simples, o UOL quer aproveitar as oportunidades que devem surgir com a expansão das redes de 5G, que demandam data centers mais descentralizados (o tal edge computing), o que por sua vez demanda mais esforço de gerenciamento.

Com “centenas de clientes”, a nova companhia herdará da Compass UOL a expertise em networking e edge computing, com parcerias firmadas com as maiores empresas globais de tecnologia, como AWS e VMWare, explica a UOL em nota.

Em 2021, a Compass UOL conquistou as competências de Networking e Data & Analytics da AWS. 

Além dessas competências, a Edge UOL nasce Microsoft Gold Partner, VMware Cloud Verified, VMWare Principal Partner Cloud Provider, VMware DRaaS powered e VMware Solution Partner server Virtualization.

“Somos reconhecidos como líderes do setor de serviços de infraestrutura e em transformação digital, com mais de 20 anos de experiência. O momento é de expansão, e a Compass UOL considera que criar uma nova operação para acomodar os dois negócios é estratégico para seguir oferecendo uma solução completa aos clientes”, comenta Gil Torquato, CEO da Holding que controla a Compass UOL e a Edge UOL.