AQUISIÇÃO

Stefanini compra Logbank

07/08/2020 14:31

Fintech fará parte da Orbitall, ampliando a oferta de serviços financeiros para o mercado de PMEs.

Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Stefanini anunciou a aquisição da Logbank, fintech que atua com um modelo em white label para soluções de pagamento, conta digital e máquinas de cartões de crédito e débito.

As empresas não informaram o valor da transação. 

A Logbank foi fundada em 2017 com foco em pequenas e médias empresas (PMEs). A startup fornece uma plataforma de banco digital e de subadquirência, com a marca do cliente, adaptável para web e smartphones.

Suas trilhas de abertura de conta possuem leitura de documentos com reconhecimento ótico de caracteres (OCR), prova de vida com desafios, upload de comprovante de residência, aprovação, acesso à conta e cadastro na adquirência. 

Com a proposta de rodar em dois meses, a empresa também cuida da infraestrutura, homologações com bandeiras/adquirentes e certificações. Sua estrutura é baseada em APIs para conectar serviços e aplicações de acordo com a necessidade do cliente. 

Na prática, o cliente entra com a rede de relacionamento e negócios já estabelecida, enquanto a startup desenvolve e opera toda a plataforma de banco digital e adquirência.

Com a compra, a LogBank passa a fazer parte da Orbitall, empresa da Stefanini especializada em serviços financeiros, digitais e customer experience.

Segundo a companhia, o objetivo é complementar a plataforma Banking in a Box, da Orbitall,  que envolve uma série de serviços normalmente oferecidos por um banco.

Entre eles, estão conta de pagamento, pagamento de boletos, transferências, cartão pré e pós-pago, recargas de celular, contratação de seguros.

“A Logbank tem sinergia com a Orbitall e nos permitirá democratizar o acesso a soluções de banking as a service para pequenas e médias empresas, especialmente varejistas e startups que querem escalar seus negócios por meio de uma plataforma completa e modular de serviços financeiros a seus clientes”, afirma Marco Stefanini, CEO global do Grupo Stefanini.

A junção das soluções deve fazer com que plataforma entregue um serviço end-to-end, do app ao back office, passando por SAC, central de relacionamento, BPO de prevenção a fraudes, cobrança e toda a experiência do atendimento digital.

Juntas, as empresas terão uma carteira de 90 clientes, entre eles Ipiranga, Creditas e Stone, com a previsão de chegar ao final de 2023 com cerca de 1 mil clientes.

“Ao nos unirmos ao grupo Stefanini, nossa expectativa é potencializar a geração de negócios para as duas partes: nós focamos no mercado de PMEs e a Orbitall nas grandes empresas, utilizando sua plataforma de cartões com uma versão mais ágil para o mundo digital, além de rodar no core bancário Topaz”, destaca Luiz Gustavo Dutra, CEO da Logbank.

Esta é a segunda aquisição da Stefanini em menos de um mês. Em julho, a empresa comprou a Holding Haus, proprietária da agência de publicidade W3haus.

Com 32 anos de atuação, a Stefanini fechou o ano de 2018 com um faturamento de R$ 3 bilhões, uma alta de 7% frente aos resultados do ano anterior.

O faturamento do ano passado ainda não foi divulgado, mas a empresa afirma que a receita do Grupo Stefanini oriunda das ofertas digitais cresceu 35% no período, sendo que a Stefanini Ventures teve uma grande representatividade no resultado.

Veja também

VELHO NORMAL?
Home office começa a recuar

Dados do IBGE mostram primeiro recuo desde o início da pandemia: 7,8% voltaram para escritório.

FINANCEIRO
Banco Plural automatiza processos com Stefanini

Projeto envolveu também um lado de open banking, um tema em alta.

DIGITAL
Stefanini compra W3Haus

Gigante de TI brasileira faz sua maior aposta no nicho de comunicação digital até agora.

HOME OFFICE
Fujitsu fecha metade dos escritórios

Gigante japonesa vai colocar 80 mil funcionários para trabalhar em casa.

DINHEIRO
Home office: o fim dos vales?

Presidente do TRT-RJ diz que benefícios “não fazem sentido” para quem está em casa. Novo normal?

NOMES
Panazzolo, ex-Meta, está na Microcity

Executiva é reforço para a empresa de outsourcing no Rio Grande do Sul.

MEDIDAS
CI&T: home office até o fim do ano

Mais uma empresa de TI decide manter os profissionais em casa por segurança.

NOVO NORMAL
BRQ quer modelo 100% home office

Os cerca de 2,5 mil funcionários da empresa devem seguir trabalhando em casa depois da pandemia.

NOVO NORMAL
BMG: home office até o início de 2021

No ano que vem, o trabalho em casa deve ser ampliado.