EDUCAÇÃO

MEC prevê volta das universidades para março

08/12/2020 11:57

Prazos poderão ser modificados pontualmente, dependendo da situação regional da pandemia.

Milton Ribeiro, ministro da educação. Foto: Isac Nóbrega.

Tamanho da fonte: -A+A

O Ministério da Educação estabeleceu que as instituições de ensino superior poderão retomar as aulas presenciais a partir de 1º de março de 2021, desde que sigam os protocolos de prevenção da Covid-19. 

Uma portaria que autoriza o retorno foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) na noite da última segunda-feira, 7. A medida altera a decisão anterior, divulgada em 2 de dezembro, que previa a retomada a partir de 4 de janeiro.

Segundo o site Uol, a decisão anterior havia sido duramente criticada pelas universidades federais, movimentos estudantis, sindicatos de docentes e outras entidades ligadas à educação.

No dia 6 de dezembro, o ministro Milton Ribeiro reuniu-se com representantes de universidades públicas e privadas. Depois do encontro, se comprometeu a se pronunciar "em breve" sobre a portaria, conforme aponta o G1.

Com a nova decisão, as instituições públicas e privadas poderão continuar usando atividades virtuais para substituir o ensino presencial até o dia 28 de fevereiro. Depois disso, os recursos digitais só deverão ser utilizados em caráter excepcional e complementar.

"Nós estamos apontando para o dia 1º de março, que nós julgamos ser uma data equilibrada e boa para que dê tempo para universidades fazerem alguns ajustes, inclusive pedagógicos e eletivos", disse Ribeiro em entrevista à CNN Brasil. 

Os prazos poderão ser modificados pontualmente, dependendo do avanço da pandemia da Covid-19, e o documento dá a possibilidade de autoridades locais suspenderem as atividades letivas presenciais, levando em conta as condições sanitárias da região. 

Caso isso ocorra, as instituições deverão comunicar a decisão ao MEC em até 15 dias.

A Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) avaliou que a nova portaria foi positiva, porque trouxe "mais clareza, flexibilidade e autonomia para as instituições planejarem a volta às aulas com segurança".

“Temos agora um horizonte mais realista, cumprindo os protocolos de biossegurança e garantindo o retorno seguro e gradual, de acordo com as normas das autoridades locais", afirmou Celso Niskier, diretor-presidente da ABMES, ao G1.

As aulas presenciais das universidades estão suspensas desde meados de março, no início da pandemia. A Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a PUCRS e a Unisinos, por exemplo, anunciaram a suspensão das aulas no dia 16 de março.

Veja também

BAIXO CUSTO
Inovação Frugal: Brasil ainda é aluno, quando poderia ser o professor

Com um cenário macroeconômico e campo tão árido, por qual motivo não vemos cases tão expressivos no país?

COVID-19
Vacina russa no Paraná: acordo não saiu do papel

A cooperação foi assinada em agosto e os testes começariam em outubro.

CARREIRA
Mulheres na engenharia precisam de incentivo

Estudar na área exige uma garra extra, mas não deveria ser assim. Um depoimento pessoal.

CONTRATAÇÃO
Ex-Nokia assume projetos de assurance na Open Labs

Com quase 20 anos de carreira, Ricardo Ramos já atuou nas operadoras Oi, Tim e Claro.

CATARINA
Ex-alunos bancam fundo para UFSC

Grandes empresários vão bancar bolsas e pesquisas na escola de engenharia. Meta é R$ 20 milhões.

FORMAÇÃO
FIA lança aplicativo para cursos on-line

Plataforma desenvolvida pela UOL Edtech é mais um passo na pós-graduação e MBA digitais.

CONTAS
Web Summit custa R$ 30 milhões

Porto Alegre e Rio de Janeiro disputam o evento. Quem vai pagar a conta não está claro.

CONTRATAÇÃO
Braspag tem novo head comercial

Fabio Gerber Khatcherian já atuou em empresas como Cielo, Alelo e Redecard.

FINANCEIRO
Nelogica recebe investimento de R$ 550 milhões

Crescera e Vulcan agora têm participação minoritária na empresa, que foi avaliada em R$ 2,9 bilhões.

RAÇÃO
Royal Canin monitora rotas com RoutEasy

Indústria de alimentos para pets agora consegue dar respostas ao cliente em tempo real.