Pé no freio. Foto: mag3737 / Flickr

O ERP da SAP foi um dos destaques da divulgação de resultados da Fras-le, fabricante de produtos para freios do grupo gaúcho Randon nesta segunda-feira, 07.

No entanto, é bem provável que a multinacional alemã de sistemas de gestão preferisse não ser mencionada nenhuma das oito vezes que acabou sendo.

As “inconsistências” no novo ERP da companhia foram um dos vilões apontados como culpados pelo lucro líquido de R$ 4,7 milhões no primeiro trimestre, queda de 54,7% frente aos resultados do mesmo período do ano passado.

O documento não menciona nomes, mas é um fato mais que sabido que a Randon iniciou em 2010 um projeto de implementação do ERP da SAP em todas as empresas do grupo, o que, na Fras-le, envolveu a saída de cena de uma solução da Datasul.

A implementação foi feita diretamente pela multinacional.

No começo de 2011, foi anunciada a terceirização com a Tivit e a operação de todos os componentes necessários para suporte do novo sistema.

"Com o objetivo de mitigar possíveis impactos na operação, a companhia segue avaliando o desempenho do novo ERP”, afirma o texto, sem dar maiores detalhes sobre os planos da empresa.

De acordo com a divulgação da Fras-le, a equipe da empresa trabalhou ao longo do primeiro trimestre em solucionar problemas no ERP, conseguindo estabilizar o software em fevereiro.

Os problemas se concentraram nas exportações, onde a Fras-le teve que enfrentar ainda os efeitos das restrições impostas pela política protecionista adotada na Argentina.

Durante o período, no entanto, a Fras-le teve que entregar pedidos por frete aéreo para o mercado externo, com prazo de entrega comprometido, além de outros custos ocorridos pela “baixa eficiência operacional” de novembro a janeiro.

As exportações diminuíram 9,9% em relação ao primeiro trimestre de 2011, para US$ 25,9 milhões.

O mercado nacional, no entanto, respondeu bem totalizando R$ 86,7 milhões, 20% a mais que no primeiro trimestre de 2011.

A receita líquida consolidada alcançou R$ 151,5 milhões, 13,4% superior ao mesmo período do ano passado, e 10,5% acima do último trimestre de 2011.

Segundo o balanço, os investimentos na implantação do ERP totalizaram R$ 4,6 milhões nos dois últimos trimestres, 14% do total investido no período, que chega a R$ 32,2 milhões e inclui também máquinas e equipamentos, construções e reformas e unidades do exterior.