SAP

MSG tem planos para o Brasil

09/08/2021 13:20

Não sabe quem é a MSG? Claudio Elsas e Frank Dorr querem mudar isso.

Claudio Elsas. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Claudio Elsas e Frank Dorr, dois nomes experientes no mundo SAP, assumiram o desafio de fazer decolar no Brasil a presença da MSG, uma parceria de peso da alemã hoje sem uma presença significativa no país.

Tanto Elsas como Dorr vêm da Infosys, onde o primeiro foi country manager e o segundo, chefe da divisão SAP da multinacional indiana para  América Latina. 

Ambos entraram na Infosys quando ela comprou, em 2012, a consultoria SAP suíça Lodestone, cuja operação brasileira foi montada anos antes pelos dois. Os dois profissionais estão no mercado SAP desde os anos 90.

No último ano, a MSG já contratou 18 pessoas no país. Os novos nomes incluem quatro vice-presidentes e uma head de recursos humanos, todos com um perfil similar: ex-Infosys e com uma experiência prévia de duas décadas em software corporativo.

A ideia agora é seguir contratando consultores, chegando a uma equipe de 100 nos próximos 12 meses, um salto significativo para uma empresa que até recentemente tinha três funcionários no país. 

“Temos experiência quando o assunto é montar uma empresa do zero, como se fosse uma startup”, afirma Elsas, destacando o exemplo da criação da operação brasileira Lodestone, que na época fechou contratos de grande porte no país.

E quem é a MSG, afinal? A MSG é uma empresa alemã que está no mercado SAP desde o começo, nos anos 80, atuando inclusive no desenvolvimento de produtos vendidos pela SAP para a área financeira e de seguros.

A empresa tem 8 mil funcionários e faturamento anual na casa do € 1 bilhão, mas só a partir de 2006 começou uma expansão para fora dos mercados da Alemanha, Áustria e Suíça (a operação global é separada e fatura na casa dos € 100 milhões).

Entre 2013 e 2014, a empresa esteve envolvida em um projeto no Instituto de Resseguros do Brasil, uma das maiores empresas do segmento de resseguros, mas a presença brasileira não chegou a evoluir.

É um cenário que Elsas e Dorr querem mudar, com uma estratégia gradual, abrindo portas com alguns módulos da MSG e evoluindo dentro dos clientes para projetos maiores de implementação de ERP e sustentação de aplicações (AMS, na sigla em inglês).

O principal produto é o PAPM, uma solução com aplicações variadas, como projeção de rentabilidade, gerenciamento de custos de TI, e, mais recentemente, cálculo da chamada “pegada de carbono”.

Esse último é importante, na medida em que a sustentabilidade ganha força e muitas empresas têm divulgado planos de “zerar emissões”, compensado o CO2 gerado pelas suas operações. O tema foi um dos focos principais do último evento mundial da SAP.

“Esse produto é um best seller fora do país, acredito que vamos fechar muitos contratos rapidamente”, adianta Dorr, destacando que outras soluções incluem um software voltado para o compliance das regras do IFRS 17, que está para entrar em vigor, e outra solução específica para o segmento de carnes.

Veja também

COLHEITA
J&H Sementes adota SAP B1

ERP foi implementado pela Liberali, parceira com forte presença no agro.

INDÚSTRIA
BN Papéis roda B1 da SAP

Projeto foi entregue em seis meses pela Uppertools.

PORTAS
SAP faz aproximação com Google Cloud

Google está em boa posição para entrar com força na base de clientes da SAP.

DENTES
OdontoCompany escolhe B1 da SAP

Rede de franquias odontológicas tem 1,5 mil clínicas ativas no Brasil.

ALVOS
Meta prepara um novo salto

Empresa quer triplicar até 2024, com direito a compras e uma perspectiva de IPO.

VENDAS
Servimed faz e-commerce com SAP

NTT Data entregou a implantação do SAP Commerce B2B na gigante de distribuição.