Será que agora que a Amazon vai entrar para valer no mercado do Brasil?

A Amazon decidiu botar o pé na porta no mercado brasileiro, com o lançamento no país do Prime, serviço pelo qual o cliente paga uma mensalidade para ter acesso a frete gratuito e entrega em 48 horas.

No país, o Prime vai sair por R$ 9,90 ao mês, com desconto de 25% para o pacote anual, que sai por R$ 89,90 (os primeiros 30 dias, de teste, são de graça). 

Os valores são agressivos: nos Estados Unidos, participar do programa de fidelidade custa US$ 119 ao ano. 

Com a assinatura, o cliente do Prime terá acesso também ao Prime Video, o serviço de streaming com séries e filmes que compete com a Netflix, além do Amazon Music, que está sendo lançado no Brasil com mais 2 milhões de músicas e compete com o Spotify.

Outras vantagens incluem também acesso a uma biblioteca de ebooks e revistas da Editora Abril (Veja, Claudia e Saúde), além de downloads de alguns jogos da plataforma de games Twich.

A única pegadinha é que a entrega em dois dias só está disponível para 90 cidades, incluindo as áreas metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte e capitais e principais cidades das regiões Sul e Sudeste.

Até agora, a entrega era gratuita apenas para compras superiores a R$ 149.

A oferta vem menos de um ano depois de a Amazon começar a operar com estoque próprio no Brasil, a partir de dois centros de distribuição em Cajamar, na grande São Paulo, com um total de 550 mil SKUs, mais do que o dobro do disponível no começo do ano.

Segundo informações do Brazil Journal, a Amazon está começando a testar no Brasil, em projeto-piloto, o 'fulfilled by Amazon', a modalidade em que uma mercadoria oferecida por vendedores do markerplace fica em consignação nos centros de distribuição da companhia, que faz a logística e entrega, o que aumentaria muito o total de produtos disponíveis. 

O Prime é uma grande arma de fidelização de clientes, que, uma vez que se tornam assinantes, não tem muitos incentivos para pesquisar preços em outros sites. Nos Estados Unidos, metade das vendas da Amazon são para assinantes.

O modelo já é usado no país pela B2W com o Submarino Prime, com entrega rápida e gratuita por R$ 79,90 ao ano para 2,5 mil cidades do Sul e Sudeste, numa oferta que abrange 1,3 milhão de itens. 

Na análise do Brazil Journal, os temores de que a Amazon fosse destroçar a concorrência brasileira não se confirmaram. 

“O Brasil não é para amadores e, principalmente no varejo, não é pra gringo”, disse ao site um analista que acompanha o setor.

A Amazon não abre nenhuma informação relevante sobre sua presença no Brasil (como, aliás, a AWS, seu braço de computação em nuvem), mas analistas estimam que as vendas devem girar em torno de R$ 800 milhões neste ano, contra algo em torno de R$ 500 milhões no ano passado.