Rafael Umann, CEO e fundador da Azion.

A Azion, empresa de edge computing com sede em Porto Alegre, anunciou a captação de uma rodada de investimentos série A liderada pela Monashees e pela Qualcomm Ventures.

O valor do aporte não foi divulgado pela companhia.

A Azion nasceu em 2011, depois do fundador Rafael Umann — que já havia trabalhado alguns anos com computação distribuída, estava estudando nos Estados Unidos e procurava um negócio — conversar com um amigo e ter a ideia de montar a empresa.

Desde o início, o foco foi basicamente em criar uma tecnologia que possibilitasse computação no edge, embora o termo edge computing tenha começado a se fortalecer mais nos últimos anos.

“A gente tem nove anos de pesquisa e desenvolvimento de produtos, soluções para esse mercado, então dá para dizer que fomos bem visionários em como fazer e como posicionar para atingir esse público agora”, destaca Umann.

A sede da companhia, localizada na capital gaúcha, é uma base de pesquisa e desenvolvimento para onde são levadas as demandas dos americanos, que representam a maior parte da base de clientes da Azion.

Além do local, a empresa conta com escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Palo Alto, nos Estados Unidos, e Hong Kong. 

De acordo com a companhia, o maior nível de adoção da tecnologia no mundo inteiro é no varejo e no e-commerce, que precisam focar na experiência do usuário e costumam adotar o edge computing como serviço de missão crítica. 

Na última Black Friday, por exemplo, mais de 60% da receita do varejo brasileiro passou pela Azion. 

Hoje a empresa tem mais de 40 mil sites de comércio eletrônico como clientes, incluindo empresas como Magazine Luiza, Renner, B2W e Saraiva. Em outros segmentos, seu portfólio conta com companhias como Rico, XP investimentos e Embratel.

Esta é a primeira captação da Azion desde a sua fundação e os novos recursos devem ser usados para aumentar o time de pesquisa e desenvolvimento, com o objetivo de expandir a plataforma de edge da empresa e acelerar a adoção do 5G. 

"A plataforma da Azion está perfeitamente posicionada para entregar baixa latência, um componente chave para a adoção de 5G. Estamos empolgados em investir na Azion para habilitar aplicações da próxima geração e acelerar a adoção de 5G e edge computing", afirma Carlos Kokron, vice-presidente da Qualcomm Technologies.

Além disso, a Azion pretende aumentar suas equipes de vendas e marketing nos escritórios dos Estados Unidos e da América Latina, contratando 300 funcionários nos próximos quinze meses.

"Estamos entusiasmados em trabalhar com a Monashees e a Qualcomm Ventures para trazer inovações e tecnologias revolucionárias à realidade ", afirma Rafael Umann, CEO e fundador da Azion.

A brasileira Monashees foi fundada em 2005 e já apostou em startups como 99 e Rappi. Já a Qualcomm Ventures, criada em 2000, é o braço de investimentos da Qualcomm Incorporated e tem mais de 140 empresas de portfólio ativo.