FUI

Salim Mattar sai do governo

12/08/2020 04:31

Nome forte da ala privatista abandona o barco. Uma chance para a Ceitec?

Mattar desistiu de tentar fazer o governo brasileiro privatizar empresas. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Tamanho da fonte: -A+A

Os secretários especiais de Desestatização e Privatização, José Salim Mattar, e o de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, pediram demissão nesta terça-feira, 11.

A informação foi confirmada pelo próprio ministro da Economia, Paulo Guedes.

De acordo com Guedes, Mattar saiu porque está insatisfeito com o ritmo das privatizações. 

A gota d’água pode ter sido um fato relevante da Telebras, uma das empresas do governo à venda, que condiciona a realização do negócio à participação de um banco público.

"O que ele me disse é que é muito difícil privatizar, que o establishment não deixa a privatização, que é tudo muito difícil, tudo muito emperrado", declarou Guedes.

Já Ubel teria pedido exoneração por discordar da estratégia do governo federal de deixar a reforma administrativa para o ano que vem.

Com a saída de Mattar, a agenda de privatizações perde força no governo, dentro de um contexto mais amplo de debandada dos representantes da ideologia liberal no governo Bolsonaro.

Há um mês, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, deixou o cargo. Ele assumiu como economista chefe do banco BTG. 

O diretor de programas da Secretaria Especial da Fazenda, Caio Megale, também saiu pediu para sair há duas semanas.

Na época, o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, avisou o mercado que vai deixar o posto neste mês de agosto.

Mattar, empresário dono da Localiza, era a voz mais alta em prol das privatizações, uma agenda que não avançou muito.

A saída de Mattar pode tirar o pouco de gás que a agenda privatista já tinha, e, quem sabe salvar o Ceitec, estatal de chips federal sediada em Porto Alegre.

Recentemente, Conselho do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) do governo federal recomendou que a fabricante estatal de chips Ceitec seja dissolvida, uma decisão que está agora com o presidente Jair Bolsonaro.

O Ceitec estava na lista de Mattar desde o começo do governo. Quando a decisão do PPI saiu, o empresário comemorou no Twitter.

Mesmo assim, os funcionários da estatal se organizaram, e estão vindo a público com argumentos pela manutenção da empresa.

O principal deles é que fechar o Ceitec pode custar R$ 300 milhões, um valor que torna mais viável para o governo manter a empresa aberta até ela entrar no azul do que fechar as portas.

Pelas contas dos funcionários, a empresa poderia entrar no azul em 2024 com a adoção de medidas que permitiriam cortar os custos operacionais entre 10% a 15% e a folha em 14%.

Os funcionários vem angariando apoio político também, tendo realizado um evento digital com a participação de um representante do Ministério de Ciência e Tecnologia (o MCTI se engajou pela permanência do Ceitec).

Os funcionários tiveram uma audiência com Mattar há 10 dias, com a participação de senadores gaúchos.

Em um artigo publicado no Brazil Journal nesta quarta-feira, 12, Mattar citou a Ceitec para dizer que ela "nem deveria ter existido", o que parece implicar que a reunião não mudou sua opinião. Mas a opinião de Mattar não conta mais, se é que algum dia contou muito.

Agora, sem Mattar, o Ceitec passa a ter uma chance real de sobrevivência.

Veja também

NEGOCIAÇÃO
Microsoft topa desconto de 22% para governo

Grandes companhias de tecnologia estão sendo pressionadas pelo governo a baixar preços.

TENTATIVA
Ceitec, mais barato aberto que fechado?

Funcionários dizem que fechar custa R$ 300 milhões e que é mais negócio esperar entrar no azul.

SEPARAÇÃO
Teikon vai sair da HT Micron

Coreanos mandam na joint venture da área de semicondutores. 

DATA
Dataprev e Serpro devem ser vendidas em junho de 2021

Calendário de privatizações do BNDES foi revelado em evento para investidores.

DADOS
SUS rastreia contatos expostos ao coronavírus

Aplicativo do Ministério da Saúde foi integrado à API desenvolvida por Apple e Google.

FAÇANHAS
Mercado Livre: vai-se o investimento, fica a roupa suja

Prefeitura de Gravataí entra na justiça contra o governo do RS no caso do centro de distribuição.

BRASÍLIA
Ministério da Economia vai contratar 350

Processo seletivo será simplificado. Vagas são temporárias. Assespro desaprova medida.

INVESTIDA
Valid entra em ERP para prefeituras

Companhia comprou a Mitra, que tem clientes como São Caetano e Santo André.

CELESTE
Uruguai tem app do coronavírus

País usará tecnologia da Apple e Google com integração da Genexus.

FIM
Ceitec rumo à liquidação

Parte da estatal pode seguir como uma OS focada em design de chips.

PANDEMIA
IBM oferece consultoria gratuita para São Paulo

Funcionários da empresa estão fazendo mais de 26 mil horas de voluntariado na América Latina.

CAPTURE THE FLAG
PF encontra hackers de Bolsonaro e militares

Três mandados de busca e apreensão foram cumpridos no Rio Grande do Sul e no Ceará.