BIG DATA

Tivit compra Stone Age

16/05/2019 10:36

Companhia carioca trabalha com análise de dados e tem grandes bancos como clientes.

Tivit está ampliando presença em cloud e analytics. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Tivit comprou a Stone Age, uma empresa carioca de 50 funcionários que desenvolve sistemas de análise de dados para companhias de setores como finanças, varejo e seguros.

O valor da aquisição não foi revelado. Em 2017, a Stone Age teve alta de 27% em sua receita, registrando um faturamento de R$ 19,3 milhões. A empresa tem clientes como Bradesco, Itaú, Citibank e Boa Vista SCPC.

A compra é um reforço para a área de Digital Business da Tivit. 

“A partir dessa aquisição ampliamos e consolidamos nossas soluções de Big Data e Analytics, apoiando nossos clientes na jornada de dados com alto desempenho e inovação, de forma ágil e personalizada”, afirma o CEO da Tivit, Luiz Mattar.

Ainda nesta quarta-feira, 15, a Tivit divulgou a contratação de Wander Cunha, ex-diretor da Indra Minsait no Brasil para assumir a área de Digital Business, que, de acordo com a Tivit, cresceu 115% no último trimestre.

Cunha acumula mais de 20 anos de experiência no mercado, foi fundador de uma startup de jogos eletrônicos, passou por empresas como Accenture e Stefanini.

"Minha vivência ao longo dos últimos anos em consultoria e tecnologia, além das passagens por grandes empresas de serviços, com certeza servirão de base para acelerar a transformação digital dos nossos clientes", destaca Cunha.

Em agosto do ano passado, a Tivit promoveu Carlos Gazaffi, até então CCO e VP de TI, para o cargo de presidente executivo da empresa.

A Tivit vem passando por mudanças nos últimos anos, dos quais a mais radical foi a decisão de separar suas operações de TI e terceirização de processos de negócios (BPO, na sigla em inglês), criando uma nova companhia especializada em BPO, a Neobpo.

Segundo fontes ouvidas pelo Baguete, a estratégia visava separar o negócio de BPO, que tem baixas margens, tornando a área de TI um negócio mais rentável e atrativo para investidores. 

De fato, em março de 2017, o Valor Econômico divulgou que a Tivit estaria preparando uma volta à Bolsa de Valores, o que ainda não aconteceu.

A Tivit já abriu capital na Bolsa em 2009, quando vendeu 43% das suas ações. Um ano depois, o fundo britânico Apax comprou o controle do negócio e tirou os papéis da Bovespa.

Foi o primeiro investimento da Apax no país, com um custo de R$ 1,6 bilhão. O fundo tem 53% da empresa. 

De acordo com o Valor, a Tivit tem um faturamento estimado em R$ 1,8 bilhão. Mesmo descontando a fatia do que veio a se tornar a Neobpo (cerca de R$ 700 milhões) a empresa é menor do que os R$ 2,5 bilhões projetados em 2014 para o ano de 2015.

Sob a nova liderança, a Tivit deve enfatizar seu posicionamento como um player em soluções serviços de TI e, cada vez mais, computação em nuvem e analytics.

Veja também

RUMOS
Volkswagen coloca as fichas na AWS

Montadora vai conectar 122 fábricas ao redor do mundo em um só sistema.

MUDANÇA
Enslin, chefão de cloud, sai da SAP

Rumor na imprensa alemã é que executivo está de partida para o Google.

EXCLUSIVO
Santander promove sacode na Getnet

Cavalheiro focará internacionalização, executivos do Santander tomam conta da operação.

CARREIRA
Ex-Microsoft é diretor de vendas da Tivit

Anderson de Almeida Gaspar atuou por 16 anos na Microsoft.

ATENDIMENTO
Yara adota Salesforce com Accenture

A empresa escolheu o Salesforce Sales Cloud com o objetivo de oferecer um relacionamento mais personalizado.

PREGÃO
Embratel na frente da nuvem do governo

Com oferta baseada em AWS e desconto agressivo, companhia está a um P.O.C de levar o contrato.

IPO 2, A MISSÃO
Tivit prepara nova abertura de capital

Empresa está de olho na empolgação de investidores com o “Efeito Bolsonaro”.

LIDERANÇA
Qlik tem novo country manager

Olimpio Pereira assume o cargo vago desde janeiro.

PROMOÇÃO
ADP Labs tem novo chief software architect

Leandro Bianchini está na empresa desde 2006.

EVENTO
SAS terá Fórum no Brasil

O tema da conferência será “A revolução analítica e os novos instrumentos da transformação digital”.

ANALYTICS
MicroStrategy cria grupo de usuários no Brasil

A iniciativa também será replicada em outros países da América Latina onde a companhia atua.