Multinacional optou por encerrar escritório local.

A Riverbed, multinacional americana de gestão de aplicações em rede, decidiu deixar de ter presença direta no Brasil, demitindo o time local e deixando os negócios no país na mão de parceiros.

A informação é de fontes de mercado e foi confirmada pela Riverbed por meio de nota.

“Fizemos um ajuste em nosso quadro de funcionários e mudamos nosso modelo de atuação na América Latina, que passa a ser liderado por parceiros”, explica a Riverbed no texto, que pode ser lido na íntegra abaixo. 

A companhia não chega a comentar o tamanho do “ajuste”, que, segundo o Baguete pode averiguar, envolve um quadro de funcionários que já vinha definhando nos últimos anos, ficando abaixo de 10 pessoas hoje em dia.

Os nomes de maior relevância no time eram os de Rosano Moraes, VP de vendas para América Latina, contratado em 2016 vindo da Econocom, depois de uma passagem de quase 20 anos pela CA e o country manager Eduardo Lopes, na empresa desde 2013, quando veio da Opnet. 

Fundada em 2002, a Riverbed tinha presença direta no Brasil desde 2008, quando abriu a operação afirmando que o país era o mercado com “maior crescimento potencial da companhia no mundo”.

Já na época, e empresa tinha grandes clientes como Petrobras, Tribunal de Contas da União e AGCO. 

Desde então, a empresa estruturou sua presença no país com três distribuidores de porte Westcon, Network1 e Avnet, atendendo cerca de 100 canais na base. Todas as vendas eram feitas indiretamente.

A empresa divulgou em algumas ocasiões que o faturamento no Brasil girava em torno de 3% do total mundial.

A Riverbed foi comprada por fundos de investimento em 2015 e desde então não divulga mais seu faturamento, que antes da aquisição girava em torno de US$ 1 bilhão, o que colocaria a receita brasileira em torno de US$ 30 milhões.

Claro que com a crise econômica e a alta do dólar perante ao real, as vendas no Brasil provavelmente caíram bastante, o que deve ter levado a Riverbed a desistir de ter uma presença direta.

A Riverbed é uma empresa de ponta, líder no Quadrante Mágico do Gartner para performance de rede por seis anos consecutivos. 

Ela não é a única multinacional de TI a rever o tamanho da sua presença no Brasil.

Esse tipo de decisões está acontecendo em empresas de diferentes nichos e segmentos de atuação.

Em dezembro, o Baguete revelou que a CA tinha feito um corte no Brasil que podia chegar a 70% da força de trabalho.

Em novembro, o site apurou que a PTC, uma companhia de CAD e PLM, teria demitido 30 pessoas no Brasil.

NOTA COMPLETA DA RIVERBED 

Durante os últimos anos, a Riverbed se tornou uma empresa com foco em software, oferecendo diferencial para seus clientes com uma poderosa plataforma de desempenho digital. 

Essa transição foi impulsionada pela demanda dos clientes, e estamos vendo um bom momento para nossas ofertas de SaaS e assinaturas, que cresceram 89% no ano passado.

Nesta semana, fizemos um ajuste em nosso quadro de funcionários e mudamos nosso modelo de atuação na América Latina, que passa a ser liderado por parceiros. 

Nosso objetivo continua o mesmo, que é impulsionar a expansão com novos clientes na região e apoiar os grandes clientes que já fazem parte da família Riverbed.

O ímpeto em nossos negócios continua forte e a Riverbed tem oportunidades significativas de crescimento com soluções de Gerenciamento de Experiência Digital (DEM) e infraestrutura de próxima geração, incluindo rede definida por software (SD-WAN), e agora podemos direcionar investimentos adicionais nas principais áreas de crescimento.

Continuamos a enxergar uma tremenda oportunidade para ajudar nossos mais de 30 mil clientes globais a conquistar sucesso em suas estratégias digitais, enquanto aceleramos nossa liderança em desempenho digital.