Locaweb se tornou uma compradora em série. Foto: Divulgação.

A Locaweb vai pagar R$ 524,3 milhões pela Bling, uma companhia de software de gestão na nuvem para pequenas e médias empresas sediada em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha.

É a maior compra já feita pela Locaweb, que vem fazendo aquisições em série. A Bling é a décima depois da empresa abrir capital na bolsa em fevereiro de 2020, captando R$ 2,75 bilhões, um valor que deve ir quase na íntegra para a compra.

Os sócios da empresa ainda podem receber uma quantia não revelada, a depender do alcance de determinadas metas financeiras apuradas com base na receita operacional líquida da companhia.

No comunicado para investidores relatando a aquisição, a Locaweb revela que nos últimos doze meses, a base de clientes pagantes da Bling cresceu 62% e que a receita anual recorrente da companhia foi de R$ 60 milhões no período, um salto de 79%.

A Bling tem 50 mil clientes, que transacionaram R$ 5 bilhões dentro do sistema só em março. A estimativa é possuir, até 2023, mais de 150 mil clientes ativos.

Fundada em 2009, a Bling atende micro e pequenas empresas de varejo multicanal, para os quais iniciou oferecendo uma solução para emitir nota fiscal, fazer controle de compras, vendas e estoque, por valores mensais entre R$ 50 a R$ 300. 

Com o tempo, a empresa foi agregando 200 integrações no e-commerce, oferecendo controle sobre itens como vendas, finanças, estoque, produtos, clientes, pedidos e comissões de vendas. 

Entre as plataformas de e-commerce e marketplaces do país integradas no ERP estão Loja Integrada, Vtex, Nuvem Shop e B2W. 

Para os próximos meses, a empresa programa adicionar mais serviços a esse pacote, como PIX, adquirência e antecipação de recebíveis, seguindo a linha de grandes players de ERP.

Muitos das empresas com a qual a Bling fez integrações são concorrentes da Locaweb, principalmente no segmento de plataformas de e-commerce, um fato que a compradora reconheceu indiretamente na sua nota.

“Além da possibilidade de oferecer a plataforma para os mais de 400 mil clientes da Locaweb, o Bling continuará trabalhando de forma agnóstica, com novas integrações e atendendo as demandas de todo o mercado”, informou a Locaweb.

Como em outras compras da Locaweb, Antônio Nodari, fundador da Bling, seguirá como CEO da operação, assim como o time da companhia será mantido.

Nodari foi professor na UCS, na vizinha Caxias do Sul, por 21 anos. O empresário tem um sócio, Sidney Zynger, que entrou na sociedade como investidor-anjo.

A empresa já havia recebido em 2017 um aporte de R $2,5 milhões do fundo Criatec 2, criado pelo BNDES e gerido pela Bozano Investimentos e Triaxis Capital. 

Em relatório, o BTG Pactual ressalta o fato de a aquisição ter sido a maior realizada pela companhia até o momento e observa que, com a Bling, a Locaweb incorpora “a última peça da mandala” ao seu ecossistema.

“Com a aquisição da Bling, a Locaweb entra no negócio de sistemas de gestão, tornando seu portfólio de serviços ainda mais robusto”, escreveram os analistas Carlos Sequeira e Osni Carfi.

Em 2020, a Locaweb teve um lucro ajustado de R$ 41,6 milhões, alta de 47,7% sobre 2019. A receita líquida apurada foi de R$ 488,2 milhões, um crescimento de 26,6% na mesma base de comparação. Neste ano, as ações da companhia, avaliada em R$ 16 bilhões, acumulam alta de 36,36%.