Jair Ribeiro, da CPM Braxis

A Capgemini adquiriu 55% das ações da CPM Braxis por um valor total de R$ 517 milhões.

Pelos termos do negócio, divulgado em São Paulo nesta quarta-feira, 02, o Bradesco deixa de ser o principal acionista da empresa de TI, que passa a fazer parte da multinacional francesa, a sétima maior do mundo em TI, com faturamento de 8,3 bilhões de euros em 2009.
 
O valor da transação será dividido entre compra de ações do Bradesco, Braxis, fundos investidores e funcionários da empresa, no valor de R$ 230 milhões, e outros R$ 287 milhões como aporte de capital para a CPM Braxis, parte do quais serão destinados a pagar dívidas.
 
Os sócios brasileiros permanecem na operação, com o Bradesco detendo 20%, a Braxis 12%, os fundos 11% e os funcionários 2%. A Capgemini poderá exercer o direito de compra da parte fora do seu controle num prazo de três a cinco anos.
 
A compra significa um salto da até então tímida operação dos franceses no Brasil. A companhia tinha 500 colaboradores alocados na Unilever e outros 130 em outros clientes, sendo o maior deles o Santander.
 
Já a CPM Braxis é uma das maiores empresas de TI do Brasil, com 5,6 mil empregados contratados CLT e meta de faturar R$ 1 bilhão em 2010.
 
“O que nos atraiu na oferta foi a gestão descentralizada da Capegemi”, comenta Jair Ribeiro, presidente do Conselho Executivo da CPM Braxis, destacando que todos os diretores da empresa permanecerão no cargo. No board, serão cinco representantes franceses e quatro brasileiros.
 
De acordo com Ribeiro a expertise da Capgemini no mercado de manufatura e serviços de consultoria de alto valor agregado complementa a oferta da CPM Braxis no país. “Nossa meta é duplicar o número de funcionários em três anos”, afirma o executivo.
 
Ao mesmo tempo, os franceses abrem uma porta no mercado brasileiro e ganham uma nova locação para serviços offshore.
 
“Pouca gente sabe isso na França, mas o mercado interno brasileiro é duas vezes o chinês”, afirma Paul Hermelin, presidente da Capgemini, que participou do anúncio oficial por meio de uma conturbada teleconferência. “Ao mesmo tempo, teremos mais velocidade de entrega para clientes nos Estados Unidos”, completa o francês, destacando que a notícia da compra repercutiu bem em Paris, com alta das ações.