SENHA

SAP passa adiante vertical de bancos

19/04/2021 05:10

Investidores vão aplicar € 500 milhões no negócio, SAP fica com 20% pela tecnologia.

Digite sua senha para confirmar a operação. Foto: https://www.flickr.com/photos/catatronic

Tamanho da fonte: -A+A

A SAP está passando suas soluções voltadas para bancos e seguradoras para a Dediq, um fundo de investimento sediado em Munique, na Alemanha, visando criar uma nova empresa independente focada no segmento.

A Dediq vai investir € 500 milhões no novo negócio, no qual a SAP terá uma participação de 20% em troca da propriedade intelectual das suas soluções para o segmento.

O negócio também vai licenciar a plataforma de cloud computing da SAP e o banco de dados em memória Hana. A nova empresa, que ainda não teve o nome divulgado, usará também a marca SAP. 

A expectativa é que a operação comece para valer em janeiro de 2022, abrigando algumas centenas de funcionários da SAP, ou, como a multinacional alemã informou em coletiva de imprensa na semana passada, de um “número de três dígitos alto”, o que deve querer dizer algo entre 700 e 999 profissionais.

Seguindo a linha misteriosa, a SAP disse também que a joint venture deve uma receita de um “número de três dígitos alto na casa dos milhões de euros”.

A combinação da decisão de não atuar mais diretamente na vertical com os planos de investimento da Dediq permitem a esse repórter supor que atualmente a receita é um número baixo de três dígitos. 

É importante frisar que os clientes da SAP em bancos e seguradoras que usem outras soluções não específicas da indústria financeira seguirão sendo clientes da SAP.

A Dediq (uma sigla para Dedicated Entrepreneurs with Digital IQ) tem oito anos de atuação, um portfólio de sete empresas e não é uma novata no mundo SAP. Uma das companhias é a Convista, uma consultoria SAP. Uma segunda, a Senacor, atua com serviços TI.

"Serviços financeiros são uma indústria chave para a SAP e nós estamos reforçando nosso comprometimento com esse mercado", disse o CEO da SAP, Christian Klein, no que poderia ser interpretado como uma tentativa de dourar um pouco a pílula.

A SAP está presente em 25 verticais diferentes e a verdade é que bancos nunca foi uma das mais expressivas, ainda que a multinacional alemã tenha feito seus esforços para mudar isso.

Pelo menos no Brasil, entre 2011 e 2016, a SAP se mexeu bastante para ganhar penetração no segmento financeiro, patrocinando por exemplo o CIAB, um dos maiores eventos do setor e convidando jornalistas com frequência para falar sobre o tema.

A empresa inclusive fechou alguns contratos, com organizações de menor porte como o banco cooperativado Unicred; o BRDE, banco regional da região Sul controlado pelos governos do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e o Banco Intermedium S.A, instituição financeira mineira com atuação em ramos como crédito imobiliário.

Nos grandes bancos, a SAP comeu pelas beiradas, com contratos como um projeto de big data usando Hana no Itaú em 2016, e a implementação do Ariba para gestão de compras no mesmo Itaú em 2017.

A grande exceção à regra foi um contrato de implementação do sistema de gestão fechado pela Capgemini na Caixa Econômica Federal em 2013, no valor de R$ 518 milhões (vale lembrar que naquela época o dólar girava ao redor de R$ 2).

Mas esse projeto envolvia a compra por parte da Caixa de 22% da CPM Braxis, empresa brasileira adquirida pela Capgemini, o que gerou um grande rolo cujos desdobramentos ainda estavam rolando na semana passada.

No meio tempo, o setor bancário mudou muito, com o surgimento de toda a onda de fintechs que hoje dão a tônica no mercado. Novos fornecedores atendem essas novas empresas, que apostam em desenvolvimento ágil e computação em nuvem.

Cada vez mais, os grandes bancos estão adotando o novo paradigma, como mostra o contrato de 10 anos assinado pelo Itaú com a AWS, que provavelmente move sozinho valores com os quais a SAP nunca sonhou no segmento.

A joint venture com a Dediq é provavelmente uma adaptação a esse novo cenário.

Veja também

BRIGA
Saraiva processa SAP e Infosys

Projeto de implementação de ERP fracassado de rede de livrarias acaba na Justiça.

AUTOMAÇÃO
Petrobras realiza hackathon com SAP Labs

A equipe vencedora desenvolveu uma solução para otimizar os trâmites de expedição de materiais.

PEDALADA
Google troca Oracle por SAP

Gigante migra para o software financeiro do S/4 Hana, rodando na sua nuvem.

NAMORO
Thomson Reuters tem canais SAP

Megawork é a primeira parceira SAP a vender software fiscal da TR, uma mudança importante.

TRANSAÇÕES
Banco Central autoriza pagamentos via WhatsApp

A instituição havia cancelado os testes conduzidos pela Facebook, dona do aplicativo, em 2020.

CARAS
Itaú tem biometria no app

Deve ser um dos maiores contratos do ano. Infelizmente, o Itaú não fala quem levou.

SEGURANÇA
Já tem hacker burlando o OTP

A autenticação de dois fatores começa a demonstrar suas vulnerabilidades.

BANCOS 2.0
BTG+ roda todo na nuvem da AWS

Novo BTG+ espera atingir 4,5 milhões de correntistas em três anos.

EXCLUSIVO
Grupo Boticário compra GAVB

Empresa adquirida tem 200 funcionários e é especializada em inteligência artificial.

INVESTIMENTO
FitBank recebe aporte de R$ 30 milhões

Rodada é marcada pela entrada da CSU para o quadro de acionistas da fintech.

LISTA
Sinqia: mais R$ 106 milhões em compras

A empresa segue consolidação no segmento financeiro, adquirindo a Simply e a FEPWeb.

SEGURANÇA
Bordini, ex-New Space, está na Axur

Profissional é um dos destaques no país no segmento de segurança cibernética.

QUEIMOU
Maior data center da França pega fogo

Parece que foi culpa de um UPS. Milhares de clientes perdem dados.

SEM NÚMEROS
XP lança cartão de crédito

Corretora está preparando serviços de banco digital para ter todo o patrimônio de seus clientes na plataforma.

FINANCEIRO
Sinqia cresce 19,9% e fatura R$ 210 milhões

Companhia tem R$ 321,1 milhões em caixa para fazer mais aquisições.