MEDIDA

Ceitec demite funcionário incômodo

20/04/2021 14:02

Julio Leão é o líder da mobilização para tentar salvar a estatal federal de chips.

Sede da Ceitec em Porto Alegre. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Julio Leão, funcionário do Ceitec que vinha liderando a mobilização para tentar evitar o fechamento da estatal federal de chips, foi demitido nesta segunda-feira, 19.

O ato foi publicado no Diário Oficial da União nesta segunda-feira, 19.

Leão foi o primeiro demitido no Ceitec depois da nomeação do capitão de fragata reformado Abilio Andrade Neto como liquidante da estatal pelo governo federal.

“Como sou servidor concursado e não existe um processo administrativo para minha exoneração, assim como sequer o plano de liquidação foi aprovado, parece retaliação”, disse Leão ao site Convergência Digital

Leão é o porta-voz da Associação dos Colaboradores do Ceitec (Acceitec), o último pólo ativo da resistência contra o fechamento da empresa.

O profissional foi contratado pela Ceitec em 2013 e era responsável pela área de patentes da empresa, em tese uma posição chave para viabilizar a transferência de tecnologia do Ceitec para uma organização social, o que estava nos planos de Brasília.

Leão é representativo do quadro do Ceitec como um todo, tendo doutorado e pós-doutorado no exterior, experiência acadêmica como professor e uma passagem de três anos por uma empresa americana do setor de eletroeletrônica.

À frente da Acceitec, que reúne 80% dos 180 empregados da estatal, Leão havia se tornado a principal voz em defesa da continuidade da operação, organizando eventos e falando sobre o assunto com a imprensa.

Procurada pelo Convergência Digital, o Ceitec e o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações não comentaram o assunto.

Em 2019, quando ainda não estava claro o futuro do Ceitec, a direção da estatal e o MCT ainda tentaram algumas movimentações no sentido de criar uma agenda positiva, organizando por exemplo a visita do ministro Marcos Pontes à sede da estatal, ou uma reunião de última hora com a Pirelli.

Em outubro de 2020 o Ceitec sofreu dois baques que parecem ter selado o destino da estatal.

O primeiro foi a saída de Julio Semeghini do cargo de secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Semeghini esteve no lado oposto na briga com a ala privatista do governo, liderada pelo secretário especial de Desestatização, Salim Mattar, que buscava liquidar o Ceitec.

Dias depois, surgiu a notícia de que o Ceitec estava sendo investigado pela Polícia Federal por fraude e pagamento de propinas na contratação de uma empresa de tecnologia.

O decreto presidencial com a extinção veio no dia 16 de dezembro, prevendo a seleção de  uma entidade privada sem fins lucrativos como organização social para absorver as atividades de pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico e inovação no setor de microeletrônica.

Andrade Neto foi nomeado para fazer a liquidação do Ceitec em fevereiro de 2021, logo depois do  governo conseguir derrubar uma liminar da Justiça Federal do Rio de Grande do Sul que havia travado o processo.

O militar foi o responsável por conduzir a extinção da Companhia de Armazéns e Silos do Estado de Minas Gerais (Casemg). 

O liquidante da Ceitec agilizou as coisas em Minas Gerais. A liquidação da Casemg havia sido autorizada em outubro de 2018. Andrade Neto foi indicado para substituir o liquidante em novembro de 2019 e a empresa foi fechada um ano depois, em novembro de 2020.

Criada em 1957 pelo governo mineiro e federalizada em 2000, a Casemg é uma empresa muito mais simples do que o Ceitec.

Entre 2017 e 2020, considerando as despesas administrativas e os custos de operação, a média anual de gastos da Casemg foi de R$ 19 milhões. O custo de liquidação da companhia foi de R$ 35,2 milhões.

No Ceitec, os valores são outros. Entre 2010 e 2018, o Tesouro Nacional precisou repassar cerca de R$ 600 milhões à empresa a fim de cobrir os seus custos, período no qual o prejuízo chegou a R$ 160 milhões.

Os custos de fechar o Ceitec também prometem ser bem maiores. Pelas contas da Associação dos Colaboradores do Ceitec, a empreitada pode custar R$ 300 milhões.

Veja também

CHANCE
Serpro vai contratar 165 temporários

Maioria das vagas é para analistas de sistemas. Salário base é de R$ 7.620,37.

BYE BYE
NXP sai do Brasil

Multinacional de semicondutores fecha desenvolvimento em Campinas. Setor parece em crise no país.

ADEUS
Relembre 2020, se você é corajoso o bastante

A retrospectiva de um ano que não será esquecido: coronavírus, novo normal, ransomware, grandes negócios e mais.

FIM
Ceitec é extinto por Bolsonaro

Ministério da Ciência e Tecnologia deve cuidar dos próximos passos do centro de chips.

OPERAÇÃO SILÍCIO
Polícia Federal bate no Ceitec

Empresa de tecnologia teria pago propina para funcionários da estatal de chips.

NOMES
Semeghini sai do Ministério de Ciência e Tecnologia

Interlocutor importante da TI em Brasília está deixando a vida política.

FUI
Salim Mattar sai do governo

Nome forte da ala privatista abandona o barco. Uma chance para a Ceitec?

TENTATIVA
Ceitec, mais barato aberto que fechado?

Funcionários dizem que fechar custa R$ 300 milhões e que é mais negócio esperar entrar no azul.

SEPARAÇÃO
Teikon vai sair da HT Micron

Coreanos mandam na joint venture da área de semicondutores. 

DATA
Dataprev e Serpro devem ser vendidas em junho de 2021

Calendário de privatizações do BNDES foi revelado em evento para investidores.

PASSO
Zenvia vai abrir capital na Nasdaq

Empresa brasileira de tecnologia quer captar US$ 100 milhões na bolsa americana.

DIN DIN
Não existe o melhor momento para comprar dólar

É de fundamental importância que seus investimentos gerem renda em dólares.

PROBLEMATIZANDO
Chatbot do Bradesco educa sobre machismo

Mas será que o problema é esse? Enquanto isso, outra empresa inova e lança um atendente virtual não binário.