AÇÃO

SAP: novo plano para incentivar nuvem

29/01/2021 13:36

RISE with SAP faz diversas promessas para promover a migração dos clientes para o S/4.

Uma janela para a nuvem? Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

A SAP lançou uma grande campanha para promover a migração dos seus clientes para a nuvem e a última versão do seu software de gestão, o S/4 Hana.

Batizada de “RISE with SAP”, o programa promete a migração dos atuais ERPs dos clientes para a nuvem, um momento a partir do qual a SAP ou parceiros selecionados assumirão suporte, serviços gerenciados e infraestrutura.

Os clientes podem ainda manter suas licenças on premise e os contratos de manutenção, cobrados no formato de subscrição, a forma tradicional de comprar software. O plano já tem 130 clientes piloto na largada.

A estratégia teve um investimento de tecnologia. Nesta semana, a SAP comprou a Signavio, uma startup alemã criadora de um software de controle de workflows, o que pode ser útil no contexto do Rise With SAP.

Não foi revelado o valor do negócio, mas segundo a Bloomberg a SAP pagou US$ 1,2 bilhão pela empresa, que tem clientes como a própria multinacional alemã, a Deloitte e gigante de seguros Mutual.

As ferramentas de análise da empresa serão usadas para criar processos mais estandarizados dentro do S/4.

A SAP vem enfrentando resistência dos clientes a migrar para o S/4 desde o lançamento do produto, em 2015, por uma combinação de fatores.

O novo ERP roda em um banco de dados em memória, o que é um investimento adicional, e rodar software na nuvem requer abandonar uma série de customizações que as empresas desenvolveram ao longo do tempo.

A SAP reconheceu a situação em fevereiro de 2020, ao anunciar uma prorrogação da manutenção das aplicações da família Business Suite 7, conhecidas no mercado como ECC, até o final de 2027, aumentando assim em dois anos o prazo inicialmente estabelecido para 2025.

Além dos dois anos a mais de manutenção normal, ou mainstream, no jargão interno da SAP, a empresa também se comprometeu a manter a chamada manutenção estendida até o final de 2030.

A decisão aliviou a pressão sobre os clientes para migrar para o S/4, porque o fim do suporte ao ECC significaria um aumento de preços para seguir rodando os sistemas.

As idas e vindas não são de hoje. Em 2016, apenas um ano depois do lançamento, a SAP criou o chamado Value Assurance, outro modelo comercial destinado a estimular a migração para o S/4.

A diferença agora é que a situação é outra e a SAP está mais pressionada do que nunca para fazer acontecer a migração para a nuvem dos clientes.

Em outubro, a poderosa DSAG, associação que reúne 3,7 mil empresas usuárias de SAP na Alemanha, Áustria e Suíça, divulgou que o impacto do coronavírus nos negócios das associadas levou 43% delas a atrasar ou deixar em stand by por tempo indefinido os projetos S/4.

Os atrasos nos projetos refletiram no faturamento e na opinião do mercado sobre a empresa.  Em outubro, depois de anunciar a segunda redução na sua previsão de faturamento em 2020, as ações da SAP levaram um tombo de 23%.

No final das contas, a receita da SAP em 2020 caiu 1%, para € 27,3 bilhões. A receita de cloud subiu 17%, mas com € 8 bilhões ainda está longe de ser significativa.

Hoje, o número total de clientes S/4 Hana chega a 16 mil, uma alta de 16% em 2020, mas apenas 8,7 mil estão rodando o software (uma parte compra as licenças como um investimento).

Não são só os clientes e o mercado que questionam a SAP. Também dentro da empresa reina a confusão. 

Em outubro de 2019, a empresa nomeou dois co-CEOs em substitução a Bill McDermott, que deixou a empresa depois de quase uma década. O novo arranjo não durou seis meses e acabou com a saída da co-CEO Jennifer Morgan, e a concentração do poder na mão de Christian Klein, um funcionário de carreira da SAP.

Em maio, o Hasso Plattner, atual presidente do conselho de administração da SAP, deu uma entrevista ao Handelsblatt, o maior jornal de economia da Alemanha, lavando uma dose considerável de roupa suja (o editor do Baguete, que lê jornais alemães de monóculo enquanto come Apfelstrudel, trouxe a informação com exclusividade para o Brasil).

E os clientes, o que pensam de tudo isso? A resposta não é muito animadora para a SAP. Um analista da Forrester ouvido pelo The Register disse que a “inércia” entre os clientes da gigante alemã é muito maior do que em outras bases de ERP.

“Os clientes estão satisfeitos com o atual modo de fazer as coisas”, resumiu para o site inglês Duncan Jones, VP da consultoria de análise de mercado, agregando que se o caso fosse apenas mover sistemas para a nuvem, já existem muitas opções no mercado.

Veja também

PANDEMIA
SAP: grandes eventos em 2021, só no digital

Multinacional alemã avisa parceiros que a estratégia de eventos digitais será mantida.

ENTIDADES
Fontes, da Solar, assume ASUG

Entidade reúne 400 empresas usuárias de sistemas da SAP no Brasil.

CARREIRA
Oppenheimer, ex-SAP, vai para o Google Cloud

Operação de nuvem do Google segue empilhando contratações de alto perfil na América Latina.

AGRO
Terral Agro faz roll out SAP em novas unidades

Projeto para empresas de carnes e água de coco foi entregue pela AdopTI.

CARREIRA
Mariotto assume cargo global na Rimini

Ex-SAP vai cuidar do atendimento dos clientes de suporte SAP na empresa.

AGRO
UISA: projetos SAP e Google com Atos

Gigante francesa implantou novo ERP, G Suite, assobiou e chupou cana junto.

COMPRAS
iFood usa Ariba para gestão de fornecedores

Implantação foi feita pela Procurement Compass, uma consultoria especializada na tecnologia.

VENDAS
Volkswagen lança e-commerce no Brasil

Projeto da IBM usa Salesforce para integrar concessionárias em portal de vendas. 

ERP
Moinhos Cruzeiro do Sul agora roda SAP

Projeto feito pela Infosys foi um roll out da implantação feita na Correcta Alimentos em 2017.

IA
Bosch cria chatbot com Oracle

Novo assistente virtual foi batizado de Beto e atende em canais como web, WhatsApp e Messenger.

CARROS
BMW aposta na AWS

Mais uma montadora decide migrar boa parte do seu ambiente para a nuvem.