DEFESA

Temer fará lobby pela Huawei

22/01/2021 07:35

Gigante chinesa contratou ex-presidente para fazer um parecer sobre banimento no Brasil.

Temer tem um relacionamento próximo com Bolsonaro. Foto: Alan Santos/PR

Tamanho da fonte: -A+A

A Huawei contratou o ex-presidente Michel Temer para preparar um parecer jurídico contra o seu banimento do mercado brasileiro de telecomunicações, em particular na oferta de equipamentos para a quinta geração da telefonia móvel, o 5G. 

Temer é professor de Direito Constitucional, mas existem muitos bons professores de direito constitucional no país.

Provavelmente, pesou bem mais a favor do ex-presidente o fato de ter uma boa relação com o presidente Jair Bolsonaro, uma rede de aliados no Congresso Nacional e uma capacidade invejável de articulação em bastidores.

O parecer e o engajamento de Temer na defesa do mesmo seriam uma arma importante para a gigante chinesa de telecomunicações nas comissões criadas na Câmara e no Senado para debater o eventual banimento da 5G da Huawei.

Além disso, o atual presidente do conselho diretor da Anatel, Leonardo Euler de Morais, foi indicado por Temer e tem mandato até 4 de novembro de 2021. 

Temer também nomeou o advogado Vicente Aquino para complementar mandato de conselheiro da Anatel, cargo para o qual foi recentemente reconduzido por Bolsonaro por indicação do ministro das Comunicações, Fábio Faria, e apoio do ex-presidente do STF, Dias Toffoli. 

Ainda em junho do ano passado, o presidente Bolsonaro sinalizou que poderia deixar a Huawei de fora da infraestrutura do 5G brasileiro, durante uma das suas lives no Facebook.

Durante a transmissão, Bolsonaro disse que o certame, previsto para acontecer no primeiro semestre de 2021, levará em conta a “soberania, a segurança de dados e a política externa”.

Bolsonaro estava então alinhado ao presidente americano, Donald Trump, o maior defensor do banimento da Huawei dos leilões de 5G mundo afora.

A linha de Trump era pressionar países aliados para não comprar tecnologia da Huawei para o 5G, afirmando que o governo chinês pode usar o equipamento para fazer espionagem. 

Poucos países mostraram muito entusiasmo pela proposta, que no final das contas favorece fabricantes americanos como a Cisco. 

Uma das exceções era Bolsonaro, um fã número 1 de Trump, sob a influência ainda do ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, general Augusto Heleno.

Na época, a Huawei divulgou uma carta pública bastante morna, destacando sua presença no Brasil. O maior lobby em prol da fabricante chinesa vinha até agora das operadoras de telecomunicações, que querem comprar equipamentos mais baratos para o 5G.

No dia 13 de janeiro, os presidentes das cinco maiores operadoras do país falaram sobre o tema com o ministro das Comunicações em uma videoconferência. 

O cenário mudou muito entre junho de 2020 e janeiro de 2021 e não só com a disposição da Huawei de investir mais pesado na própria defesa, chamando para o seu lado um nome com o peso de Michel Temer.

Para começar, Donald Trump não é mais presidente dos Estados Unidos. É provável que o seu sucessor, Joe Biden, busque uma linha de confrontação menos estridente com a China, e, por tabela, dê mais margem para a Huawei no 5G, pelo menos fora dos Estados Unidos.

Além disso, a administração Bolsonaro teve que engolir a desdenhada vacina chinesa para o coronavírus, no momento a única disponível em larga escala no país. O Brasil também depende da China para importar matéria prima para fabricação da alternativa, a vacina da Astra Zeneca.

A Huawei está no Brasil há 22 anos, tem 1,2 mil funcionários no país e atua com 500 parceiros, os quais empregam mais de 15 mil pessoas. 

A empresa também tem projetos de pesquisa e desenvolvimento com CPQD e Inatel e a formação de 30 mil profissionais em academias em cooperação com instituições de ensino.

O chanceler Araújo e a sua linha histriônica contra a China estão em baixa. Para quem teve que topar uma vacina chinesa, o que são alguns equipamentos de telecomunicações, instalados em lugares que ninguém vê?

Veja também

RESPOSTA
Huawei se defende da ameaça de Bolsonaro

Ameaçada de ficar fora do leilão do 5G pelo presidente, chinesa dispara uma longa indireta.

BLOQUEIO
Bolsonaro: porta fechada para a Huawei?

Ala anti-chinesa do governo está ganhando força e limitações podem ser impostas no 5G.

DADOS
Saem os nomes da nova ANPD

Órgão que vai regulamentar a implantação da LGPD tem militares e Brasscom.

POSICIONAMENTO
Vivo vira broker de nuvem

Plataforma começa com Microsoft, Huawei Cloud e AWS e logo terá Google também.

IMUNIZAÇÃO
Empresas não poderão vacinar funcionários

Brasília muda a posição da semana passada. Vacina agora só do governo. 

PROCESSOS
Ceitec: liminar impede liquidação

Justiça manda governo esperar pelo posicionamento do Tribunal de Contas da União.

ADEUS
Relembre 2020, se você é corajoso o bastante

A retrospectiva de um ano que não será esquecido: coronavírus, novo normal, ransomware, grandes negócios e mais.

FIM
Ceitec é extinto por Bolsonaro

Ministério da Ciência e Tecnologia deve cuidar dos próximos passos do centro de chips.

FALHA
Nova exposição de dados no Ministério da Saúde

Desta vez, credenciais de sistema estavam expostas na função “inspecionar elemento” dos navegadores.

FARDAS
Militar é o número 2 do Ministério da Ciência e Tecnologia

Subcomandante da Escola Superior da Guerra assume cargo de Júlio Semeghini.

CERTIFICAÇÃO
Huawei conquista ISO 27001

Multinacional chinesa está presente há 22 anos no Brasil, atuando com operadoras.

PRESENÇA
Azure tem nova região de nuvem no Brasil

Lançamento abre portas para vender nuvem no governo, um segmento no qual a AWS está na frente.