MÃO DE OBRA

Growdev: formação com modelo ISA no RS

23/07/2020 12:58

ISA significa que primeiro o aluno encontra um trabalho, depois paga o curso.

Equipe da Growdev. Empresa está apostando no modelo ISA.

Tamanho da fonte: -A+A

A Growdev, uma startup de formação de mão de obra em tecnologia sediada em Novo Hamburgo, na região metropolitana de Porto Alegre, está introduzindo o modelo ISA para o Rio Grande do Sul.

Uma formação no modelo Income Share Agreement (ISA) significa que aluno faz o curso, mas só paga quando tiver encontrado um emprego acima de determinada faixa salarial, no caso da Growdev, acima de R$ 1,500.

A turma inicia no final de agosto, e a meta é selecionar 180 participantes, 60 para a região da Serra Gaúcha, 60 para o Vale dos Sinos, onde fica Novo Hamburgo, e 60 para Porto Alegre.

Incubada no Feevale Techpark, incubadora tecnológica da universidade de mesmo nome, a Growdev tem um método baseado em formação intensiva, com duração de um ano, e busca pessoas sem conhecimentos prévios de programação, para ingressar na carreira de desenvolvimento de software.

A turma no modelo ISA é a terceira da startup, que já formou 70 pessoas dentro de outro tipo de programa, mais curto e focado em profissionais com algum conhecimento de TI.

Uma das inovações da startup é o desenvolvimento de projetos de softwares contratados por empresas em seus programas de formação.

Ex-alunos trabalham hoje em companhias como Garupa, Doctor Clin, 3035 Tech, Lepont, BCS Automação e na própria Growdev.  

“Quem quer ingressar no mercado, em qualquer profissão, sempre tem a falta de experiência como um obstáculo, esse foi um dos primeiros problemas que buscamos resolver no nosso modelo e por isso proporcionamos aos nossos participantes a experiência de atuar em um projeto real de software”, afirma Manoel Roldão, um dos fundadores da Growdev. 

Roldão tem experiência no assunto formação de mão de obra. O profissional, que também é CIO do Garupa, um aplicativo de mobilidade, trabalhou por 10 anos Gvdasa, uma companhia de software para a área de educação, onde ajudou a criar um programa de treinamento de profissionais. 

Formação de mão de obra para TI dentro do sistema ISA é uma tendência em alta no país.

Uma startup de destaque nesse segmento é a Trybe, que captou um investimento de R$ 42 milhões antes de fechar seu primeiro ano de atuação e sem ter chegando no milhar de alunos formados.

Na semana passada, a Trybe anunciou a compra da Codenation, uma companhia de Florianópolis que atuava no mesmo mercado, ainda que com um modelo de negócio diferente. 

O mercado de brasileiro também atraiu companhias internacionais do segmento, como a francesa Le Wagon, que tinha a meta de formar 100 profissionais no Brasil por meio do ISA.

Veja também

ENGENHARIA
Nubank compra Cognitect

Esta é a segunda aquisição da fintech, que absorveu profissionais da Plataformatec no início do ano.

RECURSOS
Trybe compra Codenation

As duas empresas atuam com formação de mão de obra, ainda que de maneira diferente.

REFORÇO
Trybe contrata Nelson Mattos como conselheiro

Depois de reforçar o caixa em R$ 42 milhões, startup de educação chama conselheiro de peso.

MÃO DE OBRA
Le Wagon: pague o curso quando tiver um emprego

Mais uma instituição adota o modelo Income Share Agreement (ISA) para pagamento.

DEVS
Recém fundada, Trybe levanta R$ 42 milhões

Startup foca em formação de desenvolvedores de software, um ramo para lá de quente.

DEMANDA
Grupo Dimed capacita mão de obra com Viaflow

Formação para profissionais de TI está com inscrições abertas no Rio Grande do Sul e em São Paulo.

MÃO DE OBRA
Softex: R$ 22 milhões em capacitação

Oito instituições foram escolhidas para treinar 10 mil em currículo de tecnologia.